Incêndios: 17 concelhos em risco máximo e pequena descida da temperatura

As temperaturas máximas não devem ultrapassar os 32 graus celsius em Castelo Branco e as mínimas não descerão abaixo dos 13º (Viseu)

Dezassete concelhos dos distritos de Bragança, Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre e Faro estão esta quarta-feira em risco máximo de incêndio, assim como a costa leste da ilha da Madeira, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Segundo o IPMA, mais de 60 outros municípios do interior Norte e Centro e do Alentejo e Algarve estão em risco muito elevado de incêndio, num dia em que está prevista uma pequena descida da temperatura.

Em risco elevado estão cerca de uma centena de outros concelhos dos distritos de Viana do Castelo, Vila Real, Porto, Aveiro, Viseu, Coimbra, Castelo Branco, Leiria, Santarém, Portalegre, Setúbal, Évora, Beja e Faro.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o "reduzido" e o "máximo".

As temperaturas máximas não devem ultrapassar os 32 graus celsius em Castelo Branco e as mínimas não descerão abaixo dos 13º (Viseu)

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA prevê para esta quarta-feira uma pequena descida da temperatura, céu temporariamente nublado no litoral oeste com possibilidade de chuva fraca a partir do fim da tarde.

As temperaturas máximas não devem ultrapassar os 32 graus celsius em Castelo Branco e as mínimas não descerão abaixo dos 13º (Viseu).

Nas ilhas, o IPMA prevê aguaceiros fracos nas ilhas açorianas dos grupos Ocidental (Flores e Corvo) e Oriental (São Miguel e Santa Maria), com temperaturas que não vão passar dos 27º (Santa Cruz das Flores e Horta), e possibilidade de aguaceiros fracos nas vertentes norte, em especial a partir do final da tarde. os termómetros vão variar entre os 21º (Funchal e Porto Santo) e os 28º (Funchal).

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."