Incêndios: 17 concelhos em risco máximo e pequena descida da temperatura

As temperaturas máximas não devem ultrapassar os 32 graus celsius em Castelo Branco e as mínimas não descerão abaixo dos 13º (Viseu)

Dezassete concelhos dos distritos de Bragança, Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre e Faro estão esta quarta-feira em risco máximo de incêndio, assim como a costa leste da ilha da Madeira, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Segundo o IPMA, mais de 60 outros municípios do interior Norte e Centro e do Alentejo e Algarve estão em risco muito elevado de incêndio, num dia em que está prevista uma pequena descida da temperatura.

Em risco elevado estão cerca de uma centena de outros concelhos dos distritos de Viana do Castelo, Vila Real, Porto, Aveiro, Viseu, Coimbra, Castelo Branco, Leiria, Santarém, Portalegre, Setúbal, Évora, Beja e Faro.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o "reduzido" e o "máximo".

As temperaturas máximas não devem ultrapassar os 32 graus celsius em Castelo Branco e as mínimas não descerão abaixo dos 13º (Viseu)

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA prevê para esta quarta-feira uma pequena descida da temperatura, céu temporariamente nublado no litoral oeste com possibilidade de chuva fraca a partir do fim da tarde.

As temperaturas máximas não devem ultrapassar os 32 graus celsius em Castelo Branco e as mínimas não descerão abaixo dos 13º (Viseu).

Nas ilhas, o IPMA prevê aguaceiros fracos nas ilhas açorianas dos grupos Ocidental (Flores e Corvo) e Oriental (São Miguel e Santa Maria), com temperaturas que não vão passar dos 27º (Santa Cruz das Flores e Horta), e possibilidade de aguaceiros fracos nas vertentes norte, em especial a partir do final da tarde. os termómetros vão variar entre os 21º (Funchal e Porto Santo) e os 28º (Funchal).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?