Incêndio ameaça Monchique. Madrugada complicada para bombeiros

Fogo cercou de novo a vila algarvia que ficou sem energia elétrica em alguns pontos. Temperatura desceu de forma acentuada mas incêndio ainda não está dominado

O fogo ameaça de novo a vila algarvia de Monchique. O vento mudou, gerou projeções e as chamas entraram no perímetro urbano de Monchique. O quartel do Bombeiros Voluntários, o convento de Nossa Senhora do Desterro - que terá sido atingido pelas chamas - e as termas de Monchique estão na linha de fogo e a sua proteção é uma das prioridades dos bombeiros, tal como das habitações. A eletricidade já falhou em alguns pontos da vila, e a madrugada será de trabalho árduo para os bombeiros, apesar de a temperatura ter descido de forma acentuada. As comunicações móveis também foram afetadas.

Ao início da noite, um responsável da Proteção Civil já tinha admitido que o cenário é "muito complexo".

"A situação infelizmente alterou-se, tínhamos uma situação mais favorável e registaram-se várias projeções, as quais tiveram um comportamento bastante violento", assumiu o segundo comandante operacional distrital da Proteção Civil de Faro, Abel Gomes.

O incêndio lavra desde sexta-feira e domingo à noite já tinham ameaçado entrar na vila algarvia, obrigando as autoridades a evacuar a população.

Na página oficial na internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), a informação disponível é que estão 1090 operacionais no terreno, apoiados por 323 viaturas. O ponto da situação mantém-se inalterado desde o final da tarde: "Regista-se em todo o perímetro fortes reativações que associadas à intensidade do vento tomam de imediato grandes proporções".

Durante o dia de hoje já foram evacuadas várias localidades, como foi o caso de Fóia,

(Texto atualizado às 00.05)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.