Incêndio ameaça Monchique. Madrugada complicada para bombeiros

Fogo cercou de novo a vila algarvia que ficou sem energia elétrica em alguns pontos. Temperatura desceu de forma acentuada mas incêndio ainda não está dominado

O fogo ameaça de novo a vila algarvia de Monchique. O vento mudou, gerou projeções e as chamas entraram no perímetro urbano de Monchique. O quartel do Bombeiros Voluntários, o convento de Nossa Senhora do Desterro - que terá sido atingido pelas chamas - e as termas de Monchique estão na linha de fogo e a sua proteção é uma das prioridades dos bombeiros, tal como das habitações. A eletricidade já falhou em alguns pontos da vila, e a madrugada será de trabalho árduo para os bombeiros, apesar de a temperatura ter descido de forma acentuada. As comunicações móveis também foram afetadas.

Ao início da noite, um responsável da Proteção Civil já tinha admitido que o cenário é "muito complexo".

"A situação infelizmente alterou-se, tínhamos uma situação mais favorável e registaram-se várias projeções, as quais tiveram um comportamento bastante violento", assumiu o segundo comandante operacional distrital da Proteção Civil de Faro, Abel Gomes.

O incêndio lavra desde sexta-feira e domingo à noite já tinham ameaçado entrar na vila algarvia, obrigando as autoridades a evacuar a população.

Na página oficial na internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), a informação disponível é que estão 1090 operacionais no terreno, apoiados por 323 viaturas. O ponto da situação mantém-se inalterado desde o final da tarde: "Regista-se em todo o perímetro fortes reativações que associadas à intensidade do vento tomam de imediato grandes proporções".

Durante o dia de hoje já foram evacuadas várias localidades, como foi o caso de Fóia,

(Texto atualizado às 00.05)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.