Incêndio destruiu duas fábricas em Oliveira de Azeméis

O alerta do incêndio foi dado às 07:10 e já está em fase de rescaldo. Estiveram envolvidos no combate às chamas 59 bombeiros

O incêndio que esta sexta-feira de manhã deflagrou numa fábrica de calçado em Cucujães, em Oliveira de Azeméis, alastrou a uma outra unidade fabril e encontra-se já em fase de rescaldo, disse à Lusa fonte dos bombeiros.

Segundo Paulo Vitória, comandante dos Bombeiros Voluntários de Oliveira de Azeméis, o fogo, que terá tido início na fábrica Perfa e alastrou à Fernanda Oliveira, Lda., encontra-se já em fase de rescaldo.

"Quando chegámos ao local, a fábrica estava totalmente tomada pelo fogo. Fizemos o combate dentro do possível", disse, acrescentando que as duas unidades fabris, situadas na rua do Progresso, na zona Industrial do Monte Meão, ficaram "totalmente destruídas".

Questionado pelos jornalistas sobre o que terá acontecido para ter sido rápida a propagação das chamas, o comandante respondeu que "o alerta foi tardio" e o nevoeiro na zona "também não permitiu identificar o fumo".

O alerta foi dado às 07:10, e pelas 08:45 estavam no local 59 bombeiros, de várias corporações do distrito de Aveiro, apoiados por 23 meios, de acordo com a página na internet da proteção civil.

Presente no local, o presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, Joaquim Jorge Ferreira, afirmou aos jornalistas que a Perfa emprega 15 pessoas e a Fernanda Oliveira, Lda. cerca de 80.

O autarca referiu que a fábrica Perfa tinha retomado a sua atividade laboral "há dois dias", enquanto a outra ainda se encontra em período de férias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.