Incêndio em edifício devoluto no Funchal em fase de rescaldo

Existem várias habitações e estabelecimentos comerciais nas imediações. O edifício está a ser totalmente consumido pelas chamas. Não existem feridos a registar.

Um incêndio de grandes dimensões deflagrou hoje num edifício no Largo do Pelourinho, centro do Funchal, tendo sido retiradas duas pessoas do seu interior. Cerca de 40 viaturas e mais de 60 bombeiros estiveram envolvidos no combate ao incêndio, que pouco depois das 21:00 estava "circunscrito ao prédio devoluto".

Segundo o vice-presidente da Câmara Municipal, Miguel Gouveia da Silva, o incêndio encontrava-se em fase de rescaldo pouco depois das 22.00, mas os bombeiros vão manter-se no local durante toda a noite para "combater eventuais reacendimentos que possam ocorrer".

A Lusa constatou no local que um homem, que esteve em perigo, estava no terceiro andar do edifício e foi retirado pelos bombeiros, com recurso a uma escada. Dentro do prédio, no início do incêndio, estava uma outra pessoa, que conseguiu sair pelos seus próprios meios. Embora não apresentem ferimentos, a que foi retirada foi transportada de ambulância para o Hospital do Funchal, por precaução.

Além dos Sapadores do Funchal e os Bombeiros Voluntários Madeirenses, também se encontram no local elementos das corporações de Santa Cruz e Câmara de Lobos, alem de elementos da PSP e da GNR e respetivas viaturas.

O vereador com o pelouro da Proteção Civil, João Pedro Vieira, adiantou aos jornalistas, no local, que o comandante dos Sapadores do Funchal considera que o fogo está "circunscrito ao prédio devoluto", aproveitando para afirmar que o proprietário foi alertado várias vezes para atuar no sentido de impedir a entrada de pessoas naquele imóvel.

Por precaução, os prédios em torno da antiga fábrica Insular de Moinhos, que data de 1929, foram evacuados, adiantou, existindo muitos prédios antigos e alguns estabelecimentos.

A Câmara Municipal do Funchal também divulgou um comunicado a apelar à população para evitar circular esta noite na baixa da cidade, sobretudo na zona onde deflagra o incêndio.

Em comunicado, a autarquia salienta que a origem do fogo naquele imóvel, que era usado por pessoas sem abrigo para passarem a noite, está "ainda por apurar".

No mesmo documento, o município refere que o "Serviço Municipal de Proteção Civil e os Bombeiros Sapadores do Funchal estão no local a coordenar a operação, que também conta com os Bombeiros Voluntários Madeirenses, a PSP e duas guarnições da GNR, com mais de uma dezena de viaturas no terreno".

A CMF aponta que "estão destacados todos os meios possíveis para responder a esta situação, tendo a zona sido já evacuada e instalado um perímetro de segurança que abrange a rua Fernão de Ornelas, a zona do Mercado dos Lavradores e a Praça da Autonomia, com circulação interdita a pessoas e veículos".

A autarquia confirma que "foram retiradas duas pessoas do edifício e que não há feridos a registar até ao momento".

"Todo o dispositivo envolvido está a fazer os possíveis para que o fogo não alastre a nenhum edifício vizinho e para que se possa extinguir o incêndio o mais rapidamente possível", salienta.

O município pede ainda à população "para manter a calma".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.