Incêndio na Infante Santo fez cinco feridos

Três dos feridos foram bombeiros que combateram as chamas. Um deles teve mesmo de de ser assistido no Hospital de São José depois de partir o braço direito

Um incêndio consumiu nesta quarta-feira um armazém e oficina mecânica em Lisboa na Rua do Borja, nº 131, junto à Avenida Infante Santo, artéria que liga a Estrela à Avenida 24 de julho, tendo provocado cinco feridos. Apenas uma das vítimas deslocou-se ao Hospital de São José, no caso um dos bombeiros que combateu as chamas e que partiu o braço direito após uma queda de quatro metros.

Em relação aos outros feridos, uma mulher foi assistida por inalação de fumos, um funcionário do armazém, de 47 anos, sofreu queimaduras na face e no braço esquerdo.

No decorrer das operações, outros dois bombeiros sofreram ferimentos ligeiros: um ficou com a mão presa numa porta e o outro sofreu uma eletrocussão.

O incêndio foi combatido por 36 operacionais do Regimento de Bombeiros Sapadores de Lisboa, apoiados por 11 viaturas, bem como sete bombeiros de Campo de Ourique, com o apoio de dois veículos. Para o local também se deslocaram a Proteção Civil e a Polícia Municipal de Lisboa.

Ao DN, fonte do Regimento de Bombeiros Sapadores de Lisboa José Rocha disse que o alerta para a ocorrência foi dado às 14:46 e que o incêndio foi extinto às 16.11, tendo os edifícios adjacentes ao armazém sido evacuados por precaução.

Apesar de anteriormente o RSB ter dito tratar-se de um armazém/oficina automóvel, este responsável referiu que é "desconhecida a atividade" que se praticava no interior dos armazéns, razão pela qual ainda não é possível quantificar os danos materiais.

Na rede social Twitter, o Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP informou que, "devido a incêndio urbano, o trânsito encontra-se totalmente cortado nas seguintes artérias: Calçada das Necessidades, Rua do Borja e Rua do Possolo".

O Cometlis aconselhou os automobilistas a procurarem alternativas.

O trânsito no local já foi reaberto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).