Incêndio na Infante Santo fez cinco feridos

Três dos feridos foram bombeiros que combateram as chamas. Um deles teve mesmo de de ser assistido no Hospital de São José depois de partir o braço direito

Um incêndio consumiu nesta quarta-feira um armazém e oficina mecânica em Lisboa na Rua do Borja, nº 131, junto à Avenida Infante Santo, artéria que liga a Estrela à Avenida 24 de julho, tendo provocado cinco feridos. Apenas uma das vítimas deslocou-se ao Hospital de São José, no caso um dos bombeiros que combateu as chamas e que partiu o braço direito após uma queda de quatro metros.

Em relação aos outros feridos, uma mulher foi assistida por inalação de fumos, um funcionário do armazém, de 47 anos, sofreu queimaduras na face e no braço esquerdo.

No decorrer das operações, outros dois bombeiros sofreram ferimentos ligeiros: um ficou com a mão presa numa porta e o outro sofreu uma eletrocussão.

O incêndio foi combatido por 36 operacionais do Regimento de Bombeiros Sapadores de Lisboa, apoiados por 11 viaturas, bem como sete bombeiros de Campo de Ourique, com o apoio de dois veículos. Para o local também se deslocaram a Proteção Civil e a Polícia Municipal de Lisboa.

Ao DN, fonte do Regimento de Bombeiros Sapadores de Lisboa José Rocha disse que o alerta para a ocorrência foi dado às 14:46 e que o incêndio foi extinto às 16.11, tendo os edifícios adjacentes ao armazém sido evacuados por precaução.

Apesar de anteriormente o RSB ter dito tratar-se de um armazém/oficina automóvel, este responsável referiu que é "desconhecida a atividade" que se praticava no interior dos armazéns, razão pela qual ainda não é possível quantificar os danos materiais.

Na rede social Twitter, o Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP informou que, "devido a incêndio urbano, o trânsito encontra-se totalmente cortado nas seguintes artérias: Calçada das Necessidades, Rua do Borja e Rua do Possolo".

O Cometlis aconselhou os automobilistas a procurarem alternativas.

O trânsito no local já foi reaberto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.