Incêndio na Infante Santo fez cinco feridos

Três dos feridos foram bombeiros que combateram as chamas. Um deles teve mesmo de de ser assistido no Hospital de São José depois de partir o braço direito

Um incêndio consumiu nesta quarta-feira um armazém e oficina mecânica em Lisboa na Rua do Borja, nº 131, junto à Avenida Infante Santo, artéria que liga a Estrela à Avenida 24 de julho, tendo provocado cinco feridos. Apenas uma das vítimas deslocou-se ao Hospital de São José, no caso um dos bombeiros que combateu as chamas e que partiu o braço direito após uma queda de quatro metros.

Em relação aos outros feridos, uma mulher foi assistida por inalação de fumos, um funcionário do armazém, de 47 anos, sofreu queimaduras na face e no braço esquerdo.

No decorrer das operações, outros dois bombeiros sofreram ferimentos ligeiros: um ficou com a mão presa numa porta e o outro sofreu uma eletrocussão.

O incêndio foi combatido por 36 operacionais do Regimento de Bombeiros Sapadores de Lisboa, apoiados por 11 viaturas, bem como sete bombeiros de Campo de Ourique, com o apoio de dois veículos. Para o local também se deslocaram a Proteção Civil e a Polícia Municipal de Lisboa.

Ao DN, fonte do Regimento de Bombeiros Sapadores de Lisboa José Rocha disse que o alerta para a ocorrência foi dado às 14:46 e que o incêndio foi extinto às 16.11, tendo os edifícios adjacentes ao armazém sido evacuados por precaução.

Apesar de anteriormente o RSB ter dito tratar-se de um armazém/oficina automóvel, este responsável referiu que é "desconhecida a atividade" que se praticava no interior dos armazéns, razão pela qual ainda não é possível quantificar os danos materiais.

Na rede social Twitter, o Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP informou que, "devido a incêndio urbano, o trânsito encontra-se totalmente cortado nas seguintes artérias: Calçada das Necessidades, Rua do Borja e Rua do Possolo".

O Cometlis aconselhou os automobilistas a procurarem alternativas.

O trânsito no local já foi reaberto.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?