Homem procurado recebe polícia com metralhadora na Amadora

Suspeito conseguiu fugir, mas deixou cair a arma.

Um homem procurado por posse de arma proibida recebeu com uma metralhadora uma brigada da PSP da Amadora, que se deslocou à sua casa, na Cova da Moura, para o deter, mas o suspeito acabou por conseguir fugir.

Fonte policial explicou hoje à agência Lusa que a equipa da Esquadra de Investigação Criminal, da brigada de mandados de detenção, deslocou-se, na manhã de sexta-feira, à casa do suspeito para dar cumprimento a um mandado de detenção, por, em 2011, ter sido apanhado com uma arma proibida.

"Quando a polícia lhe bateu à porta, o homem pegou numa metralhadora e saiu por uma janela, fugindo pelos telhados. Levava consigo, além da arma já carregada, mais um saco de munições. Mas, ao saltar de um telhado para outro, deixou cair a metralhadora e já não teve oportunidade de a recuperar porque a polícia já estava a chegar a ela e recuperou-a", contou a mesma fonte.

A PSP montou depois vigilância à casa e acabariam por deter dois cúmplices que se dirigiram à habitação para "eliminar as provas do tráfico de droga".

No interior da casa, os polícias encontraram "milhares de doses de heroína, de cocaína e de haxixe, balanças de precisão, milhares de euros e reproduções de outras armas de fogo", material que foi apreendido pela PSP da Amadora.

Esses dois alegados cúmplices foram hoje ouvidos durante todo o dia no Tribunal de Mafra, ficando sujeitos a apresentações todos os dias à PSP.

A PSP continua a procurar o principal suspeito, que continua em fuga.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.