Homem morto a tiro após desentendimento em festa em Cabeceiras de Basto

A vítima tinha 34 anos

Um homem foi morto a tiro este domingo de madrugada em Arco de Baúlhe, Cabeceiras de Basto, após um desentendimento com outro no final de uma festa. O autor do disparo ainda está a monte, segundo fonte policial.

O alerta foi dado às 06:43 e a vítima é um homem de 34 anos, cujo óbito foi declarado no local pela equipa da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Guimarães.

Segundo adiantou à agência Lusa fonte do Comando Territorial de Braga da GNR, o homicídio ocorreu na rua do Arco no final da Festa Branca, na sequência de um desentendimento entre os dois envolvidos, que "eram da mesma freguesia, pelo que provavelmente seriam conhecidos".

"O suspeito abandonou o local e foi buscar a arma", explicou a GNR, tendo então regressado e disparado sobre a vítima.

Segundo a fonte, o homicida abandonou de seguida o local numa viatura, que entretanto "já foi localizada", mas segundo as últimas informações disponíveis ainda não foi capturado.

"A situação entretanto passou para a Polícia Judiciária" de Braga, acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.