Homem detido em Oeiras por oito crimes de roubo contra estafetas de pizzarias

A PSP deteve, em Porto Salvo, Oeiras, um homem de 19 anos por oito crimes de roubo, três deles de forma tentada, contra estafetas de pizzarias, sendo-lhe aplicada a medida de coação de prisão preventiva.

"O Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, através da divisão policial de Oeiras, no dia 07 de fevereiro [quinta-feira], na localidade de Porto Salvo - Oeiras, procedeu à detenção, fora de flagrante delito, de um homem com 19 anos de idade, pela autoria de oito crimes de roubo (três deles na forma tentada), todos praticados contra estafetas de pizzarias", disse, em comunicado, a PSP.

De acordo com as autoridades, o suspeito, que tinha antecedentes criminais, já vinha há vários meses a encomendar pizzas, massas e refrigerantes a diversas pizzarias, solicitando a entrega em diversas moradas da zona de Porto Salvo.

Quando os estafetas se deslocavam para fazer a entrega eram ameaçados e agredidos pelo arguido que "lhes subtraía ou coagia a que entregassem os artigos", fugindo depois para parte incerta.

O homem foi presente no sábado ao primeiro interrogatório judicial do juízo de instrução criminal da Comarca de Lisboa Oeste, sendo-lhe aplicada a medida de coação de prisão preventiva.

A PSP informou ainda que, em paralelo, corre um outro processo contra o mesmo homem por dois crimes de roubo agravado, nos quais o arguido "terá subtraído a dois jovens telemóveis com recurso a uma reprodução de arma de fogo e uma faca".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.