Homem de 30 anos detido por violência doméstica e violação em Sintra

Ficou em prisão preventiva depois de ser ouvido por um juiz.

Um homem de 30 anos foi detido em Sintra por violação e violência doméstica e depois de ouvido pelo juiz ficou em prisão preventiva, de informou a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Segundo a informação publicada do 'site' da PGDL, o detido, de 30 anos, foi ouvido em primeiro interrogatório judicial pelo juiz de instrução criminal na passada terça-feira pela prática de crimes de violência doméstica, violação e gravações ilícitas.

De acordo com a PGDL, o arguido, "desde pelo menos junho de 2018, data em que passou a viver com a ofendida, que a vem agredindo física e psicologicamente, na presença dos dois filhos menores daquela".

"Numa das ocasiões, obrigou ainda a ofendida a praticar atos sexuais contra a sua vontade", acrescenta a PGDL.

A investigação prossegue sob a direção do Ministério Público da 5.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Sintra, Comarca de Lisboa Oeste, em colaboração com a PSP de Sintra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.