Ministério Público pede prisão preventiva para 54 detidos do caso Hells Angels

Em causa estão acusações de associação criminosa, tentativa de homicídio, roubo, ofensa à integridade física e tráfico de droga

O Ministério Público pediu esta segunda-feira a prisão preventiva para 54 dos 58 detidos em Portugal no âmbito do processo do grupo de motociclistas Hells Angels, avançou um dos advogados de defesa.

A medida de coação máxima foi pedida para quase todos os 59 detidos, sendo que um deles está na Alemanha.

Os interrogatórios, que demoraram três dias, foram feitos no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, perante a juíza Maria Antónia Andrade

O Ministério Público começou esta manhã a apresentação das medidas de coação, devendo o tribunal ouvir depois os advogados de defesa.

A sessão estava marcada para as 09:30 no Campus da Justiça, em Lisboa, depois de, no fim de semana, terem sido terminados os interrogatórios aos 58 arguidos do grupo de motociclistas detidos em Portugal.

Os interrogatórios, que demoraram três dias, foram feitos no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, perante a juíza Maria Antónia Andrade.

Desconhece-se ainda se a juíza vai proferir o despacho com as medidas de coação esta segunda-feira, já que ainda terá de ouvir os advogados de defesa.

O processo envolve acusações de associação criminosa, tentativa de homicídio, roubo, ofensa à integridade física e tráfico de droga.

A investigação do caso dos Hells Angels foi elaborada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal e pela Unidade Nacional Contraterrorismo da Polícia Judiciária e os mandados de busca e de detenção foram executados na quarta-feira passada.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.