Hacker Rui Pinto a caminho de Portugal. Extradição confirmada

As autoridades judiciais da Hungria indeferiram o recurso da defesa de Rui Pinto para tentar evitar a extradição já decidida pelo tribunal há duas semanas

Nos próximos dias, o denunciante do Football Leaks será transferido da cadeia húngara, onde tem estado a aguardar a decisão sobre o recurso, para Portugal. A decisão foi tomada esta quinta-feira pelas autoridades judiciais húngaras, que indeferiram o recurso da defesa.

Fonte judicial confirmou à Lusa que esta decisão não é passível de recurso e que Rui Pinto vai ser extraditado no prazo de oito a 10 dias. Assim que pisar solo português, será ouvido pelo juiz de instrução que irá decidir as medidas de coação: prisão preventiva ou domiciliária

As autoridades portuguesas acusam-no da prática de seis crimes: dois de acesso ilegítimo, dois de violação de segredo, um de ofensa a pessoa coletiva e ainda uma tentativa de extorsão. Até ao momento, apurou também o DN, ainda não foi pedido qualquer pedido de proteção especial, algo que pode acontecer a pedido tanto do Ministério Público como da Defesa, mas apenas quando o processo estiver em Portugal.

"É uma questão de vida ou de morte" não ser extraditado para Portugal, alegou Rui Pinto, quando soube da decisão de extradição há duas semanas. O Football Leaks é dossier que envolve vários casos de corrupção no futebol português e internacional e a defesa de Rui Pinto tem alegado o perigo de vida que correrá o Rui Pinto em Portugal.

Rui Pinto - que recusa ser qualificado como pirata informático - argumentou perante a juíza do Tribunal Metropolitano de Budapeste que é "um alvo a abater" por parte de quem está envolvido nos negócios que ele denunciou e que em Portugal não estará seguro.

A sentença de extraditar Rui Pinto para Portugal - processo que deverá ser assegurado pela Polícia Judiciária - abrange igualmente os equipamentos eletrónicos que lhe foram apreendidos.

Em causa o seu acesso aos sistemas informáticos do Sporting Clube de Portugal (SCP) e do fundo de investimento 'Doyen Sports' - sedeado em Malta - que lhe permitiram divulgar documentos confidenciais como contratos de jogadores do SCP e do então treinador Jorge Jesus ou celebrados entre a 'Doyen' e várias sociedades anónimas ligadas ao futebol.

O português está em prisão domiciliária desde janeiro, no âmbito de um pedido de detenção europeu do Ministério Público português.

"As autoridades portuguesas nunca me tentaram contactar. Sabem a minha morada registada em Portugal, o meu número de telemóvel, mas nunca me enviaram uma carta. Peço à juíza que não me envie para Portugal. É uma questão de vida ou de morte", apelou Rui Pinto.

A 13 de fevereiro, o tribunal rejeitara o recurso do Ministério Público húngaro para colocar Rui Pinto em prisão preventiva, mantendo o português em prisão domiciliária enquanto aguardava o desenrolar do processo de extradição para Portugal.

Rui Pinto devia ser "protegido", diz eurodeputada Ana Gomes

A eurodeputada Ana Gomes defendeu hoje a necessidade de proteger denunciantes de casos de corrupção e de evasão fiscal na União Europeia (UE), como o do 'hacker' Rui Pinto.

Em causa está uma nova lei que vai ser criada na UE para "reforçar a proteção dos denunciantes em toda a Europa, haver um padrão harmonizado e sobrelevar o serviço e o interesse público que resulta da ação dos denunciantes, mesmo quando tenham de infringir regras internas das empresas", explicou Ana Gomes, falando aos jornalistas à margem da sessão plenária do Parlamento Europeu, em Estrasburgo.

Apesar de o 'hacker' português não estar ligado a uma empresa, "indiretamente, o Rui Pinto beneficia desta diretiva porque ela claramente enuncia os princípios gerais de proteção do interesse público", acrescentou a eurodeputada.

Na segunda-feira à noite, negociadores do Parlamento Europeu e do Conselho chegaram a um acordo sobre a primeira diretiva europeia sobre a proteção dos denunciantes.

Trata-se de um acordo provisório que terá agora de ser aprovado pelos representantes dos Estados-Membros no Conselho da UE e pelo Parlamento em plenário, o que deverá acontecer em abril, segundo Ana Gomes.

A nova lei surge porque "vimos que muitas das pessoas que tinham sido essenciais para trazer cá para fora toda a corrupção e podridão e os esquemas de evasão fiscal e de branqueamento de capitais que estavam aí foram acusadas nos seus próprios Estados-membros de estarem a violar a lei", explicou.

No caso do Rui Pinto, "não sabemos como é que ele teve acesso ao acervo de informação que teve, mas indiscutivelmente é de interesse público e está a servir já a várias autoridades europeias para recuperar milhões em fuga a impostos e para ir atrás de corruptos", vincou Ana Gomes.

A eurodeputada lamentou, porém, que isso não esteja a acontecer em Portugal, dizendo "estranhar" a atuação das autoridades.

"Tendo elementos da polícia portuguesa sabido há muito que o Rui Pinto era uma das fontes do 'football leaks' e estando as autoridades de Espanha, de França e da Alemanha interessadíssimas e a tirar partido das informações do Rui Pinto para fazer Ronaldos, Mourinhos e outros pagar milhões sonegados ao fisco, em Portugal não temos notícia que tenha havido qualquer ação na base desses elementos", elencou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.