"Retaliação ou vingança". O que se sabe sobre o atropelamento na Moita

Autoridades suspeitam que o homem que atropelou um grupo de jovens durante as festas da Moita, este sábado, e que resultou na morte da irmã de Yannick Djaló, uma jovem de 17 anos, o fez propositadamente, após desacatos num bar

Açucena Patrícia, de 17 anos, irmã mais nova do futebolista Yannick Djaló, estava com um grupo de amigos a participar nas Festas da Nossa Senhora da Boa Viagem da Moita. Já regressava a casa quando foi colhida por um carro que furou a barreira de segurança da rua e levou à frente várias pessoas que se encontravam na travessa do Açougue. A adolescente morreu ainda a caminho do hospital, pouco passava das duas da madrugada deste sábado. A GNR coloca a possibilidade do atropelamento ter sido intencional. O suspeito, um jovem de 21 anos, está preso preventivamente.

O condutor do carro que partiu para cima do grupo de jovens está "indiciado em doze crimes: um de condução perigosa; dez de homicídio qualificado na forma tentada e um de homicídio qualificado". Onze pessoas estavam a passar na travessa do Açougue, cortada ao trânsito, "é esse o número de crimes [de homicídio] dos quais o suspeito está indiciado", confirmou ao DN o Major Carocha Gonçalves, do Comando Territorial da GNR de Setúbal.

"Sabemos que houve desacatos anteriores [nas imediações de um bar] que envolveram esses indivíduos, mas é demais dizer que eram grupos rivais e que foi um ajuste de contas. O relatos das testemunhas levam-nos a crer que poderá ter sido uma retaliação ou uma vingança", disse a mesma fonte, que não confirma que o suspeito estivesse alcoolizado, embora relatos de testemunhas o indiquem. "Fez os testes para álcool e substâncias psicotrópicas no hospital, mas os resultados ainda não estão disponíveis", revelou Carocha Gonçalves.

O Major disse ao DN que "acontecem sempre desacatos durante as festas, mas nunca com esta gravidade".

Na Tailândia, onde se encontra a jogar no Ratchaburi Mitr Phol Fc, clube da primeira liga do país, Yannick Djaló reagiu em choque à morte da irmã. "Minha Açu... palavra nenhuma consegue descrever a dor que sinto e quão pesado está o meu coração... minha Açu... minha menina", escreve Yannick Djaló na sua página de Instagram.

Numa outra publicação, a 1 de agosto, quando Açucena completou 17 anos, Djaló dizia que a irmã tinha "um caráter incrível", que o enchia "de orgulho", de "todas as vezes" que pensava nela.

Após o atropelamento e ainda durante o dia de sábado, 15 de setembro, o Comando Territorial de Setúbal, através do Destacamento Territorial do Montijo, emitiu um comunicado onde revelava ter detido em flagrante "um homem de 21 anos por ter atropelado um grupo de pessoas no recinto das festas da Moita, o que resultou na morte de uma jovem de 17 anos".

GNR foi obrigada a proteger suspeito do atropelamento mortal

A nota contava como, cerca da 1H50, "um condutor avançou a alta velocidade por um arruamento de acesso às referidas festas, tendo embatido violentamente nas guardas de madeira de proteção, utilizadas para as largadas de touros, as quais não impediram que o veículo colidisse com as vítimas, provocando cinco feridos leves e uma vítima mortal".

No comunicado, é ainda descrito que o condutor tentou fugir, mas os militares da GNR que se encontravam nas imediações evitaram a fuga. A GNR foi obrigada a criar um perímetro de segurança, uma vez que dezenas de pessoas que assistiram ao atropelamento tentaram fazer justiça pelas próprias mãos, como confirma a GNR.

O condutor da viatura que investiu contra o grupo já tem cadastro na polícia e foi presente, na manhã deste domingo, a 1º interrogatório judicial, no Tribunal Judicial do Barreiro, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva.

Esta segunda-feira o Ministério Público irá nomear a força que irá investigar o atropelamento, se a GNR ou a Polícia Judiciária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.