Há quase 18 mil trabalhadores precários no Estado

O número de prestadores de serviços no setor público aumentou 14.6% no ano passado

O número de trabalhadores a recibos verdes no Estado voltou a subir em 2017. Segundo o jornal Público, os dados revelados recentemente pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) revelam que no final do segundo semestre do ano passado, estavam 17.728 pessoas em regime de prestação de serviços nos serviços do Estado central e nas autarquias, mais 14.6% do que em 2016.

Não existia um número tão elevado de trabalhadores precários no Estado desde o segundo semestre de 2013, altura em que foram identificados 28 000 prestadores de serviços.

Por esta altura, lembra o Público, "está em curso o Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP) que, só na Administração Central, teve mais de 30 mil candidaturas de trabalhadores a recibos verdes, com contratos emprego-inserção ou a termo certo e estagiários que consideram estar a assegurar funções permanentes nos serviços públicos". Dos 22.321 analisados, 12.522 precários receberam luz verde.

Mais de metade do total destes trabalhadores (56%) estão ligados à administração central, em particular aos serviços dos ministérios do Trabalho e da Segurança Social, da Saúde e da Ciência e Ensino Superior. Só no Ministério do Trabalho há 6113 prestadores de serviço, um terço do total.

No entendimento da DGAEP, o crescimento no Ministério do Trabalho estará relacionado sobretudo com a contratação de formadores para o Instituto do Emprego e Formação Profissional.

Nas câmaras, juntas de freguesia e outros organismos locais existem 7746 trabalhadores nestas condições, mais 3,8% do que em 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.