Sindicatos dos enfermeiros garantem que greve cirúrgica vai manter-se

A ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou que o parecer jurídico do Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República (PGR) considerou ilícita a greve dos enfermeiros nos blocos operatórios

A Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) e o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor), as duas estruturas que convocaram a greve dos enfermeiros nos blocos operatórios, disseram na sexta-feira que a paralisação vai continuar.

A ASPE indicou que mantém a paralisação, mas ressalvou que "cumprirá todas as orientações legais que estejam devidamente fundamentadas".

Já Carlos Ramalho, presidente do Sindepor, declara que "é com tanta tranquilidade quanta firmeza na defesa das posições que bem sabem ser inteiramente justas que os enfermeiros em greve não se deixarão intimidar por este tipo de manobras e prosseguirão a sua luta".

A Procuradoria-Geral da República (PGR) considerou ilícita a greve dos enfermeiros nos blocos operatórios, anunciou na sexta-feira a ministra da Saúde, Marta Temido, numa conferência de imprensa em Lisboa.

Marta Temido adiantou que já homologou o "parecer complementar" da PGR e que é vinculativo, e "não é recorrível", pelo que a greve que está em curso desde 31 de janeiro "deverá ser suspensa".

Em declarações à Lusa, a presidente da ASPE, Lúcia Leite, disse que o sindicato "cumprirá todas as orientações legais que estejam devidamente fundamentadas", mas que precisa de perceber o "enquadramento legal" do parecer da PGR sobre a ilicitude da greve e a sua homologação pela ministra da Saúde, Marta Temido.

Parecer da PGR não tem "qualquer eficácia jurídica externa", diz sindicato

"Qualquer interpretação jurídica ou ação do sindicato terá de ser feita com base em documentos, e não só em declarações (...). Tenho que consultar o Departamento Jurídico [da ASPE] para perceber o impacto da situação", afirmou Lúcia Leite, assinalando que se mantém a greve até o sindicato "conhecer os documentos" e analisá-los.

Por sua vez, o Sindepor considera que o parecer do Conselho Consultivo é "discutível" e uma mera opinião jurídica sobre a primeira "greve cirúrgica" e não sobre a que está em curso.

"Mesmo depois de homologado pela ministra, tal parecer não tem outra natureza que não seja a de uma mera orientação interna para os serviços, sem qualquer eficácia jurídica externa", considerou o sindicato em comunicado assinado pelo seu presidente, Carlos Ramalho.

Antes da divulgação do comunicado, o advogado do Sindepor, Garcia Pereira, afirmou à Lusa que "é unicamente" aos tribunais que compete declarar a ilicitude da paralisação.

Garcia Pereira referiu que a homologação do parecer pela ministra "é mais uma operação de intoxicação da opinião pública e uma tentativa de pressionar o tribunal, e isso é completamente inaceitável".

Na conferência de imprensa de sexta-feira, a ministra da Saúde disse que "duas circunstâncias justificam" o parecer da PGR: o pré-aviso de greve "não especificava" em que moldes a paralisação se iria realizar e questões relativas ao "financiamento colaborativo que se colocam à própria greve".

O Governo pediu, em 29 de janeiro, um "parecer complementar" ao Conselho Consultivo da PGR para que se pronunciasse sobre as duas greves dos enfermeiros nos blocos operatórios, a que decorreu entre 22 de novembro e 31 de dezembro e a que começou em 31 de janeiro e com término previsto para 28 de fevereiro.

Primeiro parecer considerou a greve lícita

O pedido de parecer visava esclarecer a licitude da paralisação e do seu financiamento.

Num primeiro parecer, relativo à primeira greve, a PGR considerou, em 30 de janeiro, a convocatória da greve lícita, advertindo que a paralisação seria ilícita se cada enfermeiro decidisse o dia, a hora e a duração.

Marta Temido esclareceu que o Ministério da Saúde fez um primeiro pedido de parecer, antes do início da primeira greve, "antes de 22 de novembro de 2018", e que esse parecer "foi no sentido de que não havia elementos suficientes para a Procuradoria se pronunciar sobre a ilicitude da greve".

"O Ministério da Saúde decidiu fazer um pedido de parecer complementar, juntando um conjunto de elementos sobre a forma como a greve vinha sendo exercida", que incidiam "sobre o primeiro período de greve", acrescentou.

Greve "deverá ser suspensa de imediato", diz ministra

Sendo a greve em curso, "como tem sido referido por várias estruturas sindicais, uma greve igual à primeira, e sendo a primeira ilícita, a ilicitude da greve está fixada", frisou Marta Temido.

"Temos uma greve que não é lícita e que, como tal, deverá ser suspensa de imediato", salientou, adiantando ter confiança de que os profissionais retomam o trabalho.

O Conselho de Ministros decretou em 7 de fevereiro uma requisição civil na greve dos enfermeiros em blocos operatórios em curso desde 31 de janeiro, alegando incumprimento da prestação de serviços mínimos em quatro dos dez hospitais públicos abrangidos pela paralisação.

Já na quinta-feira, o Supremo Tribunal Administrativo admitiu a intimação para a proteção de direitos, liberdades e garantias da classe apresentada pelo Sindepor a contestar a requisição civil decretada pelo Governo, que abrange quatro dos dez hospitais onde decorre a "greve cirúrgica", dando cinco dias ao executivo para apresentar a sua defesa.

As duas greves dos enfermeiros nos blocos operatórios foram convocadas pela ASPE e pelo Sindepor, após um movimento de enfermeiros ter lançado recolhas de fundos numa plataforma na internet para financiar as paralisações, num total de 740 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.