Greve da Infraestururas de Portugal afeta circulação de comboios na próxima semana

Paralisação decorre nos dias 27, 29 e 31 de agosto e afeta a circulação ferroviária da CP e Fertagus

A circulação de comboios volta a ser afetada em todo o país na próxima semana, na sequência de uma greve da Infraestruturas de Portugal agendada para os dias 27, 29 e 31 de agosto.

O protesto foi convocado pela APROFER - Associação Sindical dos Profissionais do Comando e Controlo Ferroviário, que integra os trabalhadores dos Centros de Comando Operacionais (CCO) da Infraestruturas de Portugal SA e do Posto de Comando Central (PCC) do Metro do Porto. Em comunicado, a associação critica a "prática reiterada de recurso à sabotagem das negociações, através da simulação de entendimentos e acordos escritos, que tardam em ser cumpridos e que resultam na degradação das relações laborais, no poder arbitrário de conduta no funcionamento dos postos de trabalho, na degradação da saúde dos trabalhadores e por fim na banalização de tratamento, num processo de trabalho, do qual dependem a segurança e a pontualidade de todas as circulações ferroviárias e dos respetivos canais horários".

Na sequência da paralisação, que deverá afetar a circulação ferroviária da CP e Fertagus, o Tribunal Arbitral nomeado pelo Conselho Económico e Social definiu serviços mínimos, que passam pela realização de 25% dos comboios programados.

Ambas as partes concordaram com essa definição de serviços mínimos, que acabaram também por incluir comboios de transporte de mercadorias perigosas, comboios de socorro, o transporte diário de combustível para o aeroporto de Faro e os serviços que garantem a alimentação elétrica permanente da catenária.

Na ata do passado dia 17 de agosto sobre os serviços mínimos para as paralisações que decorrem entre as 00:00 e as 24:00 pode ler-se que a IP tinha considerado que os serviços mínimos incluídos nos pré-avisos de greve "não são suficientes" para "suprir as necessidades sociais impreteríveis".

Não serão disponibilizados transportes alternativos.

"Aos clientes que já tenham bilhetes adquiridos para viajar em comboios dos serviços Alfa Pendular, Intercidades, Regional e Celta que não se realizem, a CP permitirá o reembolso no valor total do bilhete adquirido, ou a sua revalidação, sem custos, para outro dia/comboio", pode ler-se no site da CP - Comboios de Portugal, através do qual é possível consultar os serviços mínimos para todos os serviços, à exceção dos comboios internacionais Sud-Expresso e Lusitânia Comboio Hotel.

No final da mesma página a CP informa que para mais informações os clientes deverão utilizar a linha de atendimento da empresa, através do número de telefone 707 210 220.

A Fertagus também alerta para "fortes perturbações" na circulação de comboios e disponibilizou os serviços mínimos na respetiva página.

O protesto também abrange as empresas Medway e Takargo, vocacionadas para o transporte de mercadorias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."