Governo vai corrigir "divergência" sobre aumento extraordinário das pensões no OE2019

O ministro explicou que a medida a integrar o OE2019 "tem a ver principalmente com as pensões mínimas que entraram em vigor depois dos aumentos extraordinários que existiram"

O ministro do Trabalho comprometeu-se esta quarta-feira a corrigir uma "divergência" e incluir uma norma no próximo Orçamento do Estado para que o aumento extraordinário das pensões seja incorporado no referencial dos valores mínimos das pensões.

"Iremos ultrapassar essa divergência no quadro do Orçamento de 2019, é um compromisso que estamos em condições de assumir", afirmou Vieira da Silva, na comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social, em resposta à deputada do PCP, Diana Ferreira.

A deputada tinha questionado o ministro sobre que medidas iriam ser tomadas para que o aumento extraordinário de pensões de agosto de 2017 fosse integrado no referencial do valor mínimo das pensões. Segundo explicou, esta situação criou "situações problemáticas", por exemplo, em sede de IRS.

Segundo Vieira da Silva, em princípio a norma terá em conta os dois aumentos extraordinários (o de agosto de 2017 e o de agosto deste ano), mas a norma "ainda não está concluída"

Questionado depois pelos jornalistas no parlamento, o ministro explicou que a medida a integrar o OE2019 "tem a ver principalmente com as pensões mínimas que entraram em vigor depois dos aumentos extraordinários que existiram".

Segundo adiantou Vieira da Silva, em princípio a norma terá em conta os dois aumentos extraordinários (o de agosto de 2017 e o de agosto deste ano), mas a norma "ainda não está concluída".

"Isso gerou um desequilíbrio porque os aumentos extraordinários de pensões foram em função do conjunto do rendimento dos pensionistas, a pensão mínima é uma pensão isolada, portanto teremos de compatibilizar isso", afirmou ainda o ministro.

Este ano, em agosto, os pensionistas vão receber um aumento extraordinário, tal como aconteceu em 2017.

O aumento extraordinário por pensionista será de seis ou 10 euros para quem recebe até 643 euros, o equivalente a 1,5 Indexante de Apoios Sociais (IAS). Esta subida terá em consideração a atualização de janeiro, o que significa que em agosto será pago o diferencial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.