Governo autoriza encerramento da pista secundária do aeroporto de Lisboa

O Ministério das Infraestruturas e da Habitação autorizou o encerramento "definitivo" da pista secundária do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, para avançar com obras naquela infraestrutura, adiantou a tutela em comunicado.

Numa nota, o ministério detalhou que a decisão foi concretizada através de um despacho do secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Alberto Souto de Miranda, que justifica a decisão.

A tutela informou ainda que a concessionária ANA - Aeroportos de Portugal, detida pela Vinci, deverá obter junto da Autoridade Nacional da Aviação Civil [ANAC] o respetivo processo de certificação do aeroporto Humberto Delgado nessas novas condições, bem como a aprovação de todas as obras que justificam este encerramento, lê-se na mesma nota.

O Ministério garantiu ainda que "esta decisão é indispensável para avançar com sucesso nas obras do aeroporto Humberto Delgado. O espaço que atualmente ocupa a pista será utilizado para construção de mais estacionamentos para aviões e mais espaço para a circulação dos mesmos".

Além disso, as obras incluem "a construção de uma nova torre de controlo" e de "infraestruturas que vão melhorar o serviço prestado aos passageiros", de acordo com o Governo.

A tutela salientou ainda que "ouviu antes desta decisão várias entidades e suporta este encerramento em pareceres favoráveis ao mesmo, nomeadamente por parte da Eurocontrol", sendo que este processo "conclui que o encerramento da pista 17/35 preserva os níveis de segurança adequados à operação do aeroporto Humberto Delgado, podendo inclusive melhorá-los", de acordo com o que ficou definido pelo despacho.

O Governo pede assim à ANA que "desenvolva os melhores esforços para que sejam cumpridos os prazos de conclusão das obras".

A concessionária terá ainda que apresentar ao Estado português, "no prazo de 30 dias, a calendarização para o início de cada uma das obras", além da ter a obrigação "justificar especificamente qualquer desvio em relação às datas estimadas pelo concedente [Estado] para a respetiva conclusão".

No despacho lê-se ainda que este processo não pode nem causar atrasos nas obras nem aguardar pela entrada em funcionamento do futuro aeroporto do Montijo.

Em 2018, apenas 0,1% dos voos terão usado esta pista, de acordo com o Governo.

As obras só avançam depois de aprovação da ANAC, estabelece o diploma.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.