Gosta de velocidade? Cuidado que a PSP reforçou fiscalização

Até domingo PSP vai aumentar a fiscalização nas estradas de Lisboa. Condutor pode ter de pagar coima até 2500 euros

A Polícia de Segurança Pública vai intensificar o controlo de velocidade nas estradas da Área Metropolitana de Lisboa até domingo com uma operação batizada com o slogan: "Partilha a vida. Não a velocidade. A vida não se mede em km/h! Boa viagem".

Num comunicado divulgado esta segunda-feira, a Divisão de Trânsito do Comando de Lisboa refere que esta ação faz parte de uma política de "segurança rodoviária eficaz e preventiva, a qual visa a diminuição de infrações e, consequentemente, a redução no número de acidentes rodoviários".

Assim, até domingo as operações de fiscalização vai decorrer em toda a área metropolitana tendo como principal objetivo detetar condutores em excesso de velocidade, infração que, recorda a PSP, é punida com "uma coima de 2500 euros, uma sanção acessória até dois anos, e a subtração de um máximo de quatro pontos da carta de condução do infrator".

Segundo os dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária o número de acidentes nas estradas nacionais aumentou nos primeiros seis meses do ano relativamente ao período homólogo, com um total de 63.357 desastres, mas registaram-se menos vítimas mortais.

De acordo com o mais recente balanço da ANSR entre 1 de janeiro e 30 de junho registaram-se mais 2403 acidentes do que no período homólogo. Quanto às vítimas mortais, no primeiro semestre do ano registaram-se 220 mortos, menos 15 relativamente ao mesmo período do ano passado (235).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.