Golfinho morto encontrado em Alcochete não é o da Doca dos Olivais

O golfinho encontrado morto na quinta-feira na margem sul do rio Tejo, em Alcochete, distrito de Setúbal, não corresponde ao que estava desaparecido da Doca dos Olivais, junto ao Oceanário de Lisboa, disse esta sexta-feira fonte do ICNF.

Marina Sequeira, do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse esta sexta-feira à Lusa que o golfinho encontrado morto "não era da mesma espécie" do golfinho-riscado desaparecido da Doca dos Olivais desde segunda-feira.

A responsável do ICNF teve conhecimento, na quarta-feira, "de um golfinho morto que terá arrojado na margem sul do rio Tejo, em Alcochete", que indicou, na altura, poder ser o mesmo, mas "sem certezas" até resultado da autópsia.

De acordo com a autópsia, o animal "não comia há vários dias e tinha uma patologia de pulmão", referiu.

A causa da morte do golfinho ainda não é conhecida porque "o resultado dos exames ainda não foi revelado".

No passado domingo, um golfinho-riscado foi levado para a Doca dos Olivais depois de ter arrojado na margem do rio Tejo e ter sido avistado por populares que deram o alerta durante a tarde, indicou na terça-feira fonte do Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB) de Lisboa.

Relativamente a este golfinho, a responsável do ICNF disse apenas que o seu paradeiro ainda é desconhecido.

Exclusivos

Premium

Betinho

Betinho: "NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus à seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.