GNR identificou três suspeitos de sequestrarem duas pessoas em Tarouca

Arguidos têm idades compreendidas entre 36 e 60 anos

A GNR anunciou esta terça-feira ter identificado três suspeitos de sequestro e ofensas à integridade física a duas pessoas, no concelho de Tarouca, distrito de Viseu.

Em comunicado, a GNR explica que, na sequência de um pedido de auxílio feito para a linha 112, foi efetuada "uma operação policial no sentido de intercetar uma viatura suspeita de estar relacionada com o ilícito", o que acabou por acontecer.

"Das diligências subsequentes foi possível localizar uma das vítimas, um homem de 28 anos, que se encontrava na margem do Rio Douro, no Peso da Régua, apresentando alguns ferimentos", e que foi encaminhada para o hospital, refere.

A outra vítima, um homem de 38 anos, "que também havia sido sequestrado e levado noutro veículo, deslocou-se pelos próprios meios às instalações do posto territorial de Tarouca", apresentando alguns ferimentos e tendo sido assistido pelos militares, acrescenta.

Segundo a GNR, os três suspeitos têm entre 36 e 60 anos.

Esta operação envolveu militares dos postos territoriais de Armamar e de Peso da Régua e do Núcleo de Investigação Criminal de Lamego, tendo os factos sido reportados à Policia Judiciária, que prosseguirá as diligências.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.