Força Aérea resgatou duas pessoas do mar em menos de 24 horas

Resgates aconteceram na quinta e sexta-feira

A Força Aérea portuguesa resgatou duas pessoas no mar em menos de 24 horas, uma ao largo dos Açores e outra que se encontrava num navio cruzeiro, ambos a necessitar de tratamento médico, foi hoje anunciado.

Em comunicado hoje divulgado, a Força Aérea (FA) revela que o primeiro resgate ocorreu na manhã de sexta-feira, quando recuperou um pescador ao largo dos Açores que tinha ficado ferido durante a faina e com o estado de saúde a agravar-se.

O tripulante da embarcação espanhola Marivi Uno foi resgatado a cerca de 270 quilómetros das Lajes, sob condições atmosféricas muito adversas, segundo a FA.

De acordo com a FA, no final do dia de quinta-feira, foi ativado um helicóptero para resgatar uma pessoa, também do sexo masculino, no cruzeiro Saga Sapphire, a cerca de 330 quilómetros do Montijo.

As operações aéreas foram conduzidas pelos Centros Coordenadores de Busca e Salvamento Aéreo das Lajes e de Lisboa, após solicitação de empenhamento de meio aéreo por parte dos Centros Coordenadores de Busca e Salvamento Marítimo de Ponta Delgada e de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.