Força Aérea autorizada a aluguer 26 aeronaves para combater fogos

A Força Aérea foi autorizada a alugar 26 meios aéreos de combate aos incêndios florestais para o período de 2020 a 2024. A maioria é para substituir 22 aeronaves, cujos contratos terminam este ano.

O Governo autorizou a realização de despesa referente à "aquisição, pela Força Aérea, de serviços de disponibilização e locação dos meios aéreos que constituem o dispositivo aéreo complementar do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais de 2020 a 2024", segundo o comunicado do Conselho de Ministro.

Fonte do Ministério da Defesa disse à agência Lusa que se trata de 26 aeronaves, mas não avançou o valor em causa.

Entre os meios aéreos que a Força Aérea vai alugar estão helicópteros ligeiros e pesados, aviões anfíbios médios e pesados e aviões ligeiros de coordenação.

Estas aeronaves serão para o período de 2020 a 2024 e vão substituir os meios aéreos que terminam o contrato no final deste ano.

Segundo o Ministério da Defesa, 22 aviões e helicópteros que integram o atual Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais terminam os contratos iniciados em 2018 e em 31 de dezembro de 2019. Conta também com mais 35 meios aéreos, alugados este ano e com contrato até outubro de 2022.

O Ministério da Defesa ressalva que se pretende, "de forma gradual e até 2023, edificar uma capacidade própria e permanente de meios aéreos do Estado para o combate aos incêndios rurais".

No entanto, sustenta, que continua a ser necessário, nos próximos anos, "recorrer à aquisição de serviços de disponibilização e locação de meios aéreos, em função da disponibilidade dos meios aéreos próprios do Estado".

O dispositivo de combate a incêndios conta este ano com 61 meios aéreos, incluindo um helicóptero para a Madeira.

Exclusivos