Força Aérea admite ter entrado "inadvertidamente" no espaço aéreo finlandês

A Força Aérea portuguesa admite em comunicado que uma das suas aeronaves, destacada na Polónia, no âmbito de uma operação da NATO, entrou sem intenção no espaço aéreo da Finlândia, e "lamenta o sucedido"

Um avião P-3C CUP+ da Força Aérea portuguesa entrou esta segunda-feira de manhã no espaço aéreo finlandês, na sequencia de uma manobra. A tripulação "não conseguiu evitar" a situação e ultrapassou "em cerca de 500 metros" o limite do espaço aéreo finlandês, reconhece a Força Aéra em comunicado.

A aeronave em causa integra uma missão da NATO, que está a decorrer no Mar Bálltico, entre a Estónia e a Finlândia.

Durante o voo, esta segunda-feira de manhã, "ao efectuar uma correção de rumo", a tripulação do P-3C CUP+ acabou por entrar no espaço aéreo finlandês, explica a Força Aérea, que "lamenta o sucedido", esclarecendo ainda que "não se tratou de uma ação premeditada", mas que foi "consequência de uma manobra em voo".

Esta informação, de acordo com o mesmo comunicado, "foi transmitida às autoridades finladesas".

Depois de os radares terem captado a entrada da aeronave portuguesa no espaço aéreo daquele país, Portugal e Finlândia analisaram esta terça-feira as gravações de voo.

A Força Aérea confirma que isso aconteceu de facto, por uma margem de 500 metros.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.