Festejos de passagem de ano cortam trânsito na Praça do Comércio em Lisboa

Circulação no topo da praça vai ser encerrada a partir de sábado. Perturbações só terminam a 1 de janeiro

A Praça do Comércio, em Lisboa, vai sofrer condicionamentos de trânsito a partir de sábado devido às comemorações dos festejos do Ano Novo tradicionais naquele local, sendo encerrada a circulação no topo norte da praça.

Segundo uma nota da Câmara Municipal de Lisboa divulgada hoje, sábado e domingo - 29 e 30 de dezembro - é encerrada a circulação no topo norte da Praça do Comércio e na Avenida Ribeira das Naus, entre as 21:00 e as 23:45.

Já no dia 31, segunda-feira, devido ao elevado número de pessoas esperado no local para a noite de passagem de ano, a Avenida Ribeira das Naus e o topo norte da Praça do Comércio são encerrados à circulação a partir das 17:00.

O trânsito particular proveniente da Avenida da Liberdade só poderá circular até aos Restauradores, sendo que os transportes públicos podem continuar a circular até as autoridades o permitirem, podendo inverter o sentido da sua marcha no Rossio.

Para o tráfego proveniente da Avenida Almirante Reis, a circulação será interrompida no Martim Moniz, com inversão possível nesta praça, enquanto para o trânsito proveniente de Nascente, é feita a interrupção da circulação no viaduto da Avenida Mouzinho de Albuquerque, sendo que a Carris poderá inverter o sentido de marcha no Largo do Terreiro do Trigo.

Em relação ao tráfego proveniente de Poente, é interrompida a circulação na Avenida D. Carlos I, com desvio para o interior da cidade.

Já a ligação entre colinas é interrompida entre as 18:00 e as 20:00, com corte de tráfego no Largo do Chiado.

De acordo com o comunicado da autarquia, a reabertura da circulação está prevista para as 04:00 ou logo que estejam reunidas todas as condições de segurança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.