Fenprof reitera greve. Reunião com Governo foi "comédia de mau gosto"

Na sua página de Facebook, a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) anuncia uma semana de greve entre 1 e 5 de outubro, que terminará com uma manifestação no Dia Mundial do Professor

"Esta reunião não foi mais do que uma comédia de mau gosto. Hoje, 7 de Setembro, o governo volta a dizer que não conta o tempo de serviço e não apresentou uma proposta quanto às formas de combater o desgaste existente na profissão". A reação foi publicada esta sexta-feira à tarde, na página do Facebook da Federação Nacional de Professores (Fenprof), na sequência da reunião entre os sindicatos de professores e o Ministério da Educação.

Foi sem alterações de posição no braço-de-ferro que dura desde novembro de 2017 que as partes voltaram a sentar-se à mesa para tentar encontrar um consenso para a contagem do tempo de serviço, com uma ameaça de greve dos docentes em cima da mesa.

Na publicação feita no Facebook, a Fenprof diz que "os professores vão através da luta mostrar ao governo a sua força porque não são filhos de um Deus menor". E anuncia que "de 1 a 5 de outubro será outra grande semana de luta. Greves toda a semana que acabará com uma grande Manifestação Nacional no Dia Mundial do Professor".

O governo não pode, diz a estrutura sindical, "continuar a dizer que conta o tempo aos outros mas não aos professores".

Segundo a Fenprof, "de 17 a 21 será distribuído um texto explicativo do que se passa com os professores".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.