Fenprof reitera greve em outubro caso falhem as negociações com o Governo

Está marcada uma manifestação de docentes em Lisboa para o dia 05 de outubro

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) reiterou esta quarta-feira que vai realizar uma greve entre 01 e 04 de outubro caso a reunião com o Ministério da Educação sobre a contagem do tempo de serviço, prevista para esta sexta-feira, seja inconclusiva.

Esta é uma das ações de luta divulgadas pelo secretário-geral da Fenprof durante o Encontro Nacional de Quadros Sindicais, onde está a ser analisada e será aprovada uma moção a entregar no gabinete do primeiro-ministro.

Mário Nogueira disse ainda que a 05 de outubro, Dia Mundial dos Professores, será realizada uma manifestação em Lisboa.

"O compromisso que, se a negociação correr mal na próxima sexta-feira, passa por dinamizar os plenários que serão realizados em todas as escolas na abertura do ano letivo, distribuir aos pais e encarregados de educação um texto explicando por que lutam os professores, garantir uma grande greve na semana de 01 a 4 de outubro e uma manifestação enormíssima a 05 de outubro", explicou.

Para sexta-feira está marcada uma reunião entre os sindicatos e o Ministério da Educação para negociar a contagem do tempo de serviço dos professores e a Fenprof reivindica a contagem de nove anos, quatro meses e dois dias, mas o Governo já disse que não tem orçamento para acomodar esta exigência.

Em previsão, adiantou, está também uma manifestação na Assembleia da República quando o Governo entregar a proposta de Orçamento do Estado, quando o ministro se deslocar ao parlamento para debater o orçamento especifico para a educação e ainda a possibilidade de uma greve a toda a atividade não letiva de estabelecimento e às reuniões, por tempo prolongado, caso os horários de trabalho dos professores não se regularizem.

Na intervenção inicial no encontro com os dirigentes, Mário Nogueira disse que os motivos da luta dos professores são conhecidos de todos e que, quando terminou a greve às avaliações, a 13 de julho, se sabia que esta não tinha terminado.

"Nenhum dos problemas que afetam o desempenho profissional dos professores e dos educadores, a sua estabilidade ou a sua carreira foi resolvido! Nenhuma medida foi tomada para atenuar a situação de desgaste e exaustão emocional em que, comprovadamente, se encontram, como nada foi feito para garantir o seu rejuvenescimento", referiu o secretário-geral da Fenprof.

Segundo o dirigente sindical, também está por cumprir o reposicionamento na carreira.

"Estamos conscientes que a contagem do tempo de serviço dos professores é assunto do OE para 2019, mas também estamos certos que antes de negociarem o próximo orçamento com o governo, PCP, BE e PEV quererão avaliar o grau de cumprimento do que vai expirar e exigirão que este, o de 2018, seja integralmente cumprido", disse.

Do encontro de dirigentes, delegados e ativistas sindicais, Mário Nogueira diz querer que sai a certeza de que todos assumem o compromisso de luta e de mobilização nas escolas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.