Fenprof promete greve no início de aulas e na primeira semana de outubro

O dirigente sindical da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) anunciou hoje que "os professores farão greve na primeira semana de outubro" e o primeiro dia de aulas "será sinalizado com luta e realização de plenários".

"Temos de voltar em setembro com a força toda que temos usado até agora. Vamos começar no primeiro dia de aulas e tudo faremos para que não haja aulas ao abrigo da lei sindical, não com greve, não com mais esforço financeiro, [mas] com plenários e reuniões no país inteiro, com a distribuição de um texto à população", anunciou Mário Nogueira perante umas dezenas de manifestantes.

Uma luta que continuará, avisou o sindicalista, na semana do 05 de outubro, Dia Mundial do Professor, "com uma semana de greve de segunda a quinta, porque sexta-feira é feriado" ainda que o "modelo da greve ainda não esteja definido".

"Não estivemos ainda a ver se será greve de quatro dias para todos, ou se será outro modelo, mas essa é a semana decisiva na negociação entre os partidos e o Orçamento de Estado para 2019, porque aí tem de estar a verba para o primeiro momento da recuperação do tempo de serviço", avisou.

Mário Nogueira discursava numa manifestação agendada para aguardar a chegada da secretária de Estado Adjunta e da Educação ao município de São Pedro do Sul, para assinatura de um protocolo.

Alexandra Leitão antecipou, no entanto, a sua presença, ato que o sindicalista considerou como "covarde".

"Pena é que tenhamos governantes que, como vemos hoje, têm nos genes a covardia política", afirmou Mário Nogueira, lamentando que a secretária de Estado não tenha dito aos presentes se se comprometia ou não com os professores a resolver o problema, assumiu.

Mário Nogueira avisou, no entanto, que os governantes da Educação ou o primeiro-ministro poderão ser confrontados durante o "mês de julho, ou de agosto, que são meses de férias" em sítios públicos.

O autarca, Vítor Figueiredo, justificou a antecipação da assinatura do protocolo em hora e meia, referindo que a secretária de Estado tinha de estar às 12:30 em Lisboa para uma conferência do grupo parlamentar.

O protocolo visa uma intervenção no valor de 1,1 milhões de euros na Escola Secundária de São Pedro do Sul.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.