Fenprof duvida que ano letivo comece sem problemas

Apresentação dos alunos deverá decorrer em meados de setembro

O secretário-geral da Fenprof disse esta quinta-feira duvidar que esteja tudo preparado para uma abertura sem problemas do ano letivo, considerando que o ministro da Educação "tem uma visão idílica quando diz que vai decorrer com normalidade".

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, disse na quarta-feira à rádio TSF que "tudo está preparado para que o ano letivo comece com normalidade", recordando alturas em que os anos letivos não começavam em setembro.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral da Fenprof disse que "não basta abrir as portas das escolas, mas sim saber em que condições vão abrir".

"Estamos a um dia útil do começo do ano escolar, altura de apresentação dos professores, alunos, reuniões, etc. A apresentação de alunos deverá ser em meados de setembro. Se perguntarmos se as portas das escolas vão abrir na segunda-feira é muito simples: vai lá alguém e abre a porta, o problema está em que condições", disse.

Mário Nogueira lembra que este ano ainda não foram colocados 20 mil professores da mobilidade interna, que no ano passado deu muita confusão e contestação, e a nível do pessoal não docente, as escolas continuam a ter um défice de assistentes operacionais.

"Há também ainda problemas de organização do ano. Por exemplo, o ministério comprometeu-se a fazer publicar esclarecimentos diversos sobre os espaços e organização do ano letivo e não o fez. Temos também dois diplomas muito importantes que saíram durante o mês de julho, um decreto-lei sobre a inclusão escolar que veio alterar de forma significativa a resposta aos alunos com necessidades educativas especiais, que tem suscitado dúvidas nas escolas", disse.

Mário Nogueira chamou também a atenção para as escolas em obras e para a retirada de amianto, que deveria ter sido feito durante as férias, e não foi.

"Se o ministro diz que as condições estão criadas e está a referir-se ao trabalho dos professores e das escolas, isso está feito, mas há problemas cuja resolução é da competência do ministério. O ano escolar vai arrancar com este problema de instabilidade das escolas. Por outro lado, há ainda o problema dos docentes em relação ao congelamento de carreiras... Vamos ver o que vai acontecer", afirmou.

O ministro da Educação disse à TSF, à margem do Summer CEmp 2018, que "há pouco tempo tivemos anos letivos que se iniciaram em outubro e novembro", algo que, na visão do governante, foi contrariado.

"Pudemos fazer algo que não acontecia até 2016. Em 2016, 2017 - e acreditamos que também em 2018 - começámos com normalidade e tranquilidade os anos letivos e em setembro. Nós pudemos, pelo menos nestes últimos dois anos, começar exatamente onde queríamos, e agora estão criadas todas as condições para que o ano escolar possa começar a tempo e possamos fazer todo o trabalho de educação para a cidadania e inclusiva", sublinhou.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.