Explosão em Peniche faz quatro feridos graves

Fuga de gás em conduta no exterior de residência universitária causou quatro feridos graves - técnicos que efetuavam trabalhos no local, e que foram transportados de helicóptero para hospitais de Coimbra e Lisboa

Uma explosão de gás, em Peniche, no exterior de uma residência universitária fez quatro feridos graves, que sofreram queimaduras. Os feridos têm entre 30 e 37 anos, informou fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Os feridos "são todos técnicos de empresas que estavam a proceder a trabalhos de manutenção na conduta no exterior do edifício", disse ao DN o vice-presidente da câmara de Peniche, Mark Ministro, que se encontra no local.

No local estiveram dois helicópteros, quatro ambulâncias e dois veículos de emergência médica, bem como 34 operacionais. Três dos feridos foram transportados de helicóptero para Coimbra, enquanto o mais grave foi levado para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, soube o DN.

De acordo com o INEM, foram avançadas "mais duas vítimas", mas trata-se de "dois trabalhadores da empresa que se encontram ilesos e a receber apoio psicológico".

Segundo o vice-presidente da câmara de Peniche, "não há qualquer ferido entre a comunidade estudantil e, aparentemente, também não ocorreu qualquer dano no edifício", que está localizado na Avenida Paulo VI, próximo das piscinas municipais de Peniche. "Vai, no entanto, ser feita uma vistoria técnica para confirmar essa informação",sublinhou o autarca,

O alerta foi dado às 12:45 e a rua mantém-se, por enquanto, fechada ao trânsito, estando a ser prestada "assistência assistência aos feridos", indicou ainda Mark Ministro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?