Europa falhou a Portugal no combate aos incêndios de 2017, diz comissário europeu

O comissário Europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Chistos Stylianides, lamenta a falta de apoio dada a Portugal e por isso é que foi decidida a aceleração do Sistema Europeu de Proteção Civil (rescUE).

O comissário europeu para a Ajuda Humanitária lamentou ter falhado a ajuda europeia no combate aos incêndios de 2017 em Portugal e revelou que a tragédia esteve na génese da criação do Sistema Europeu de Proteção Civil (rescUE).

"Uma das situações mais dolorosas da minha vida foi não ter resposta para Portugal em 2017 [incêndios] e foi por isso que aceleramos a formação do rescUE", admitiu o cipriota Chistos Stylianides, comissário europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises. Stylianides falava aos jornalistas no âmbito de uma visita em Madrid ao centro onde está estacionada a frota inicial de meios aéreos de combate a incêndios, composta por sete aviões e seis helicópteros, que faz parte do rescUE.

No âmbito do Mecanismo Europeu de Proteção Civil, foi criado este ano o "rescUE", com um orçamento de 200 milhões de euros para 2019/2020, que funciona, explicou Stylianides, como "uma rede de segurança adicional", mas que, alertou, "precisa de mais dinheiro para ser melhorada".

Este ano, a Croácia, França, Itália, Espanha e Suécia colocaram aviões e helicópteros à disposição da frota de transição do "rescUE" 2019, que estão operacionais de junho a outubro para socorrer qualquer país que seja afetado por incêndios florestais.

Será também utilizado o sistema de satélites Copernicus da UE para cartografar as emergências resultantes dos incêndios.

Contudo, o objetivo a longo prazo é aumentar as capacidades e os meios e criar uma reserva "rescUE" mais forte, com 75% dos custos operacionais a serem suportados pela União Europeia.

Segundo o diretor do ECHO [mecanismo europeu de ajuda humanitária], no verão o Centro de Coordenação de Resposta de Emergência (CCRE) 24/7 da UE foi reforçado com uma equipa de apoio aos incêndios florestais, com a participação de peritos, através da realização de videoconferências diárias para partilhar informações sobre o risco de incêndio em toda a Europa.

Na conversa com os jornalistas, Johannes Luchner abordou o caso português e mostrou-se preocupado com o tipo de madeira [eucalipto] que prolifera no país, defendendo como prioridade a prevenção, a limpeza das matas e o cadastro das terras.

O "rescEU" prevê a criação de uma reserva de ativos a nível europeu para responder a catástrofes, incluindo aviões de combate aos incêndios florestais, bombas de água especiais, equipas de busca e salvamento em meio urbano, hospitais de campanha e equipas médicas de emergência.

Os incêndios florestais que deflagraram em Portugal em 2017 mataram mais de 100 pessoas e destruíram 442 milhares de hectares de floresta e povoamentos.

Exclusivos