Espanha não tem mais comboios para emprestar a Portugal

Sem a possibilidade de alugar mais material a Espanha, prevê-se que a situação dos transportes se venha a agravar em Portugal

A Renfe, empresa pública espanhola de transportes, não tem disponibilidade para alugar mais comboios a Portugal. A notícia é avançada pelo jornal Público, que cita o porta-voz da homóloga da CP, Manuel Sempere: "Todos os comboios que temos estão em circulação e inclusivamente estamos com um plano de compra de material e não se contemplam outras opções".

Para setembro, adianta, estão previstas reuniões entre as duas empresas. Manuel Sempere admite estar disponível para "qualquer tipo de negociação" e inclusive "qualquer tipo de aliança estratégica", porque interessa à Renfe "partilhar tráfegos e poder explorar conjuntamente determinadas relações". Contudo, frisou que não existe disponibilidade para alugar mais material: "Está tudo em circulação e até temos um plano para a compra de comboios".

Esse plano, revela o Público, é de 1500 milhões de euros e prevê a aquisição de material circulante para os serviços suburbanos e regionais espanhóis. Já no ano passado, a empresa fez um contrato com a Talgo para a compra de 30 comboios de alta velocidade.

Perante este cenário, prevê-se que a situação dos transportes se agrave em Portugal, já que o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, tinha anunciado um reforço dos empréstimos à homologa espanhola "para repor o mais depressa possível todas as condições de circulação nas nossas linhas regionais".

Neste momento, lembra o Público, "a CP está praticamente sem comboios a diesel, com as velhinhas UDD (Unidades Duplas Diesel) a avariarem quase todos os dias e imobilizadas em oficinas que não têm operários suficientes".

Questionada sobre a indisponibilidade da Renfe, fonte da CP referiu que a empresa "nada tem a acrescentar ao que já foi divulgado nas declarações recentes do presidente do Conselho de Administração da CP e da sua tutela".

Greve na próxima semana

Entretanto, o Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI) anunciou esta sexta-feira ter entregado um pré-aviso de greve ao trabalho extraordinário na CP entre 27 de agosto, a próxima segunda-feira, e 3 de setembro.

O sindicato justifica, em comunicado, o pré-aviso com o incumprimento pelo Governo de um acordo de setembro de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.