Esmeralda já tem 17 anos e escolheu viver com os pais afetivos

A menina que foi viver com os pais afetivos aos três meses e que o tribunal entregou ao pai biológico aos 8 anos escolheu ficar com a primeira família. Tem agora 17 anos.

A vida de Esmeralda deu várias voltas, a primeira com poucos meses de nascença. Mas a volta maior foi quando Baltazar Nunes decidiu reclamar a paternidade, justificando que só nessa altura soube que era o pai biológico.

A menina é filha de Aidida Porto, brasileira imigrada em Portugal, que disse que o pai tinha negado a paternidade quando ela o informou da gravidez e entregou-a com três meses ao casal Adelina Lagarto e Luís Gomes.

Esmeralda era Ana Filipa para Adelina e Luís e vivia em Torres Novas. Voltou a ser Esmeralda em 2004, quando o tribunal entregou a custódia a Baltazar Nunes.

O processo teve várias decisões e requerimentos, com a audição de peritos em pedopsiquiatria. Luís Gomes, polícia da GNR, esteve, inclusive, 149 dias em prisão preventiva, num processo pelo crime de sequestro e subtração de menor quando não acatou a ordem do tribunal para entregar a filha afetiva ao pai biológico.

A entrega definitiva de Esmeralda ao pai biológico só aconteceu em 2008, tinha ela oito anos. Foi viver para Cernache do Bonjardim, na Sertã, com o pai e a madrasta, mas nunca deixou de visitar a primeira família. Adelina e Luís contestaram os tribunais, mas Baltazar Nunes ficou com a guarda parental

No último verão, Esmeralda decidiu ficar definitivamente com Adelina Lagarto e Luís Gomes, avançou esta semana o Correio da Manhã.

Luís Gomes confirmou ao DN que a, agora, jovem vive em Torres Novas, onde frequenta a escola, escolha com a qual o pai biológico acabou por concordar.

Luís Gomes prefere não comentar a situação: "Não vou falar, para a proteger. Estando a falar dela, estou a expô-la indiretamente e temos de a proteger", justificou.

A jovem fez 17 anos no dia 12 de fevereiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?