Engenheiro detido por fornecer TV e internet de forma ilegal

Detido, de 45 anos, operava na zona de Abrantes e a Polícia Judiciária diz que recebia pagamentos de "um número assinalável de pessoas"

Um engenheiro de tecnologias de informação e comunicação foi detido pela Polícia Judiciária por partilhar, de forma ilegal, conteúdos de televisão por cabo e de internet, através do método conhecido como cardsharing que consiste partilha dos dados de cartões codificados para receber o sinal de operadores de televisão e internet. O suspeito, de 45 anos, foi alvo de buscas domiciliárias em Abrantes, tendo a operação sido conduzida pelo Departamento de Investigação Criminal de Leiria,

Em causa está a prática dos crimes de burla informática, acesso ilegítimo e detenção de dispositivos ilícitos, com a PJ a referir que a detenção ocorreu em flagrante delito.

"O suspeito tinha diverso equipamento informático e eletrónico ligado, a aceder e a partilhar conteúdos de televisão e internet, sem que para isso estivesse legitimado e autorizado, tendo esse equipamento sido apreendido", informa a PJ em comunicado.

Os investigadores criminais adiantam que o homem recebia dinheiro pela oferta ilegal dos serviços. "O mesmo mantinha em funcionamento uma estrutura própria, ilícita, de disponibilização do serviço protegido de TV, instalando equipamentos especialmente adulterados para a receção do sinal codificado e disponibilizando os acessos a um número assinalável de clientes, recebendo os pagamentos acordados", lê-se na nota informativa.

Segunda operação do mês

É a segunda operação visando cardsharing que PJ realiza neste mês de julho. No dia 5, o Departamento de Investigação Criminal de Braga deteve 16 pessoas pelos mesmos crimes, numa rede que operava na zona de Ponte de Lima. Todos os arguidos, entre fornecedores e consumidores do serviço ilegal, ficaram a aguardar o desenvolvimento do inquérito em liberdade. A adulteração das boxes de TV era disponibilizada mediante o pagamento de mensalidades e a rede abrangeria mais de 100 pessoas.

Ler mais

Exclusivos