Encontrado corpo de britânico desaparecido em Ourique

O corpo do cidadão britânico foi encontrado este sábado nas águas da barragem de Santa Clara, confirmou ao DN o comandante dos bombeiros voluntários de Ourique. Estava desaparecido há várias semanas

Estava desaparecido desde o dia 20 de agosto, mas só este sábado é que o corpo do cidadão britânico, Richard Chapelow, de 29 anos, foi encontrado. "Foi um senhor que andava de barco que o encontrou", disse ao DN o comandante dos bombeiros de Ourique, Mário Batista.

O corpo foi encontrado a boiar nas águas da barragem de Santa Clara, no concelho de Ourique, perto das margens da albufeira por um funcionário de uma propriedade situada junto à barragem e que alertou a corporação às 09:30.

No local, além dos bombeiros, estão elementos da Guarda Nacional Republicana e aguarda-se, às 12:00, a chegada da Polícia Judiciária e do Núcleo de Investigação Criminal da GNR para se poder retirar o corpo das águas da barragem, disse o comandante à agência Lusa.

Depois de retirado das águas e feitas as perícias necessárias pela Polícia Judiciária e pela GNR, o corpo será transportado pelos bombeiros para o Gabinete Médico-Legal e Forense do Baixo Alentejo, no hospital de Beja, para ser autopsiado, adiantou o comandante.

Segundo Mário Batista, o homem integrava um grupo de 10 pessoas de nacionalidade britânica que estava a navegar na barragem, sendo que seis seguiam a bordo de uma embarcação e quatro numa na boia em forma de banana, que era rebocada pelo barco.

Richard Chapelow estava a passar férias no sul de Portugal com a família de Jon Hunt, milionário do ramo imobiliário do Reino Unido e fundador da Foxtons, uma das principais agências imobiliárias do país

"As quatro pessoas que estavam na boia caíram à água, tendo três voltado para o barco e um homem está dado como desaparecido", explicou na quinta-feira.

O alerta para o desaparecimento foi dado às 16:54 de 20 de agosto, tendo sido iniciadas as buscas, que, entretanto, foram canceladas na passada quarta-feira, dia 5. Já não existiam meios no local quando o corpo foi hoje encontrado.

As buscas, que decorreram durante 17 dias, envolveram uma média diária de 50 a 60 elementos apoiados por 21 veículos e seis embarcações de várias entidades, nomeadamente dos bombeiros voluntários de Ourique, Odemira, Beja, Mértola, Serpa, Moura, Aljustrel e Carcavelos, das unidades de salvamento aquático de Faro, Portalegre, Santarém, Leiria e Setúbal, da Força Especial de Bombeiros, da GNR e do Instituto Nacional de Emergência Médica.

Segundo a cadeia de televisão Sky News,Richard Chapelow estava a passar férias no sul de Portugal com a família de Jon Hunt, milionário do ramo imobiliário do Reino Unido e fundador da Foxtons, uma das principais agências imobiliárias do país.

Já o jornal britânico Telegraph indicou que o homem, que era amigo do filho de Jon Hunt, estava a passar férias com a família na zona de Ourique, onde o empresário britânico possui várias propriedades.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.