Duarte Freitas anuncia saída da liderança do PSD/Açores e pede eleições antecipadas

Alegou falta de "condições pessoais e familiares" para continuar a ser presidente dos social-democratas nos Açores

O líder do PSD/Açores, Duarte Freitas, anunciou este sábado que não se recandidata à liderança do partido, alegando falta de "condições pessoais e familiares" para continuar a ser presidente dos social-democratas na região, e pede eleições antecipadas.

Duarte Freitas salientou que é tempo de "dar prioridade à família"

"Para ser líder do PSD, preciso de ter condições pessoais e familiares e condições políticas. Desde logo, não possuo condições pessoais e familiares para continuar a ser presidente do PSD/Açores", disse Duarte Freitas no discurso de abertura do conselho regional do PSD, reunido este sábado em Ponta Delgada.

Duarte Freitas alerta para a necessidade de "resolver problemas internos" do partido e defende eleições antecipadas

Duarte Freitas salientou que é tempo de "dar prioridade à família", salientando que a missão como presidente do PSD/Açores "está cumprida", admitindo que "hoje existem militantes com capacidade para levar o Partido para a frente".

"Se não tenho as condições pessoais e familiares para responder à exigência de ser, de novo, candidato a Presidente do PSD/Açores, entendo que, politicamente, há militantes que, tendo essas condições, têm mais potencial agregador e vencedor nas eleições regionais de 2020", disse.

Duarte Freitas aproveitou a abertura do conselho regional do PSD/Açores, o órgão máximo do partido entre congressos, para alertar para a necessidade "de resolver os problemas internos" do partido "da forma mais correta e célere possível", sugerindo eleições antecipadas.

O líder do PSD/Açores propõe que "as diretas se realizem no dia 29 de setembro e o Congresso de 26 a 28 de outubro"

"Estamos a meio desta legislatura e teremos em novembro a discussão do Plano e Orçamento para 2019. Por isso, proponho um calendário ambicioso para resolver a questão da liderança. Por isso, também proponho que, desta feita, não se acumule a eleição para o Presidente do Partido com eleições para outras estruturas", disse.

O líder do PSD/Açores propõe assim que "as diretas se realizem no dia 29 de setembro e o Congresso de 26 a 28 de outubro".

Até ao momento, o advogado Pedro Nascimento Cabral é o único candidato assumido à presidência do maior partido da oposição nos Açores.

Duarte Freitas, de 51 anos e natural de São Roque do Pico, foi eleito líder do PSD/Açores pela primeira vez em 2012, sucedendo a Berta Cabral, e foi reeleito para um segundo mandato em 2015.

Antes, havia sido deputado no parlamento dos Açores e eurodeputado, entre 2004 e 2009.

Enquanto líder do PSD/Açores, Duarte Freitas disputou um vez, em 2016, as eleições regionais, sendo então o candidato do partido à presidência do Governo dos Açores, que está nas mãos do PS há mais de 20 anos.

Nas regionais de 2016, o PSD de Duarte Freitas conquistou 19 dos 57 mandatos para o parlamento açoriano, quando no sufrágio de 2012 tinha elegido 20 deputados. Já o PS ficou com 30 assentos (uma maioria absoluta com menos um deputado do que em 2012).

No parlamento dos Açores têm ainda assento o CDS-PP (quatro deputados), o BE (dois), o PCP (um) e o PPM (um).

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.