Duarte Freitas anuncia saída da liderança do PSD/Açores e pede eleições antecipadas

Alegou falta de "condições pessoais e familiares" para continuar a ser presidente dos social-democratas nos Açores

O líder do PSD/Açores, Duarte Freitas, anunciou este sábado que não se recandidata à liderança do partido, alegando falta de "condições pessoais e familiares" para continuar a ser presidente dos social-democratas na região, e pede eleições antecipadas.

Duarte Freitas salientou que é tempo de "dar prioridade à família"

"Para ser líder do PSD, preciso de ter condições pessoais e familiares e condições políticas. Desde logo, não possuo condições pessoais e familiares para continuar a ser presidente do PSD/Açores", disse Duarte Freitas no discurso de abertura do conselho regional do PSD, reunido este sábado em Ponta Delgada.

Duarte Freitas alerta para a necessidade de "resolver problemas internos" do partido e defende eleições antecipadas

Duarte Freitas salientou que é tempo de "dar prioridade à família", salientando que a missão como presidente do PSD/Açores "está cumprida", admitindo que "hoje existem militantes com capacidade para levar o Partido para a frente".

"Se não tenho as condições pessoais e familiares para responder à exigência de ser, de novo, candidato a Presidente do PSD/Açores, entendo que, politicamente, há militantes que, tendo essas condições, têm mais potencial agregador e vencedor nas eleições regionais de 2020", disse.

Duarte Freitas aproveitou a abertura do conselho regional do PSD/Açores, o órgão máximo do partido entre congressos, para alertar para a necessidade "de resolver os problemas internos" do partido "da forma mais correta e célere possível", sugerindo eleições antecipadas.

O líder do PSD/Açores propõe que "as diretas se realizem no dia 29 de setembro e o Congresso de 26 a 28 de outubro"

"Estamos a meio desta legislatura e teremos em novembro a discussão do Plano e Orçamento para 2019. Por isso, proponho um calendário ambicioso para resolver a questão da liderança. Por isso, também proponho que, desta feita, não se acumule a eleição para o Presidente do Partido com eleições para outras estruturas", disse.

O líder do PSD/Açores propõe assim que "as diretas se realizem no dia 29 de setembro e o Congresso de 26 a 28 de outubro".

Até ao momento, o advogado Pedro Nascimento Cabral é o único candidato assumido à presidência do maior partido da oposição nos Açores.

Duarte Freitas, de 51 anos e natural de São Roque do Pico, foi eleito líder do PSD/Açores pela primeira vez em 2012, sucedendo a Berta Cabral, e foi reeleito para um segundo mandato em 2015.

Antes, havia sido deputado no parlamento dos Açores e eurodeputado, entre 2004 e 2009.

Enquanto líder do PSD/Açores, Duarte Freitas disputou um vez, em 2016, as eleições regionais, sendo então o candidato do partido à presidência do Governo dos Açores, que está nas mãos do PS há mais de 20 anos.

Nas regionais de 2016, o PSD de Duarte Freitas conquistou 19 dos 57 mandatos para o parlamento açoriano, quando no sufrágio de 2012 tinha elegido 20 deputados. Já o PS ficou com 30 assentos (uma maioria absoluta com menos um deputado do que em 2012).

No parlamento dos Açores têm ainda assento o CDS-PP (quatro deputados), o BE (dois), o PCP (um) e o PPM (um).

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.