Dois bombeiros de Alenquer detidos por atear fogos no concelho

Os detidos são suspeitos de terem ateado 20 a 30 incêndios

Dois bombeiros da corporação de Alenquer foram detidos pela Polícia Judiciária (PJ) por suspeitas de terem ateado 20 a 30 incêndios neste concelho do distrito de Lisboa, disse esta quinta-feira à agência Lusa fonte policial.

Segundo a mesma fonte, um deles é um bombeiro profissional do corpo de bombeiros, de 25 anos, e foi detido no quartel na terça-feira e o outro é voluntário, de 20 anos, e foi detido na quarta-feira numa oficina onde trabalha como mecânico.

A investigação da PJ foi desencadeada por denúncias de populares às autoridades sobre a existência de veículos suspeitos junto à zona onde os fogos deflagraram.

O comandante da corporação nunca suspeitou dos dois bombeiros, mas, face às suspeitas que recaem sobre eles, decidiu suspendê-los da função

A PJ veio a concluir que se trataria dos veículos dos suspeitos, que terão ateado entre 20 a 30 incêndios no concelho, nos dias em que estavam de folga dos bombeiros, o que foi confirmado pelo comandante da corporação, Rodolfo Baptista, à agência Lusa.

O responsável operacional nunca suspeitou dos dois bombeiros, mas, face às suspeitas que recaem sobre eles, decidiu suspendê-los da função.

Ambos estão esta quinta-feira a ser presentes ao juiz de Instrução Criminal no Tribunal de Alenquer para lhe serem aplicadas as medidas de coação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.