Diretores pedem bom senso nas negociações entre Governo e professores

Sindicatos de professores e Governo reúnem-se esta sexta-feira, às 15.00, com uma nova ameaça de greve em cima da mesa

Com uma nova ameaça de greve em cima da mesa, os representantes dos diretores de agrupamentos e escolas públicas pedem "bom senso" e que haja "fumo branco" na reunião entre os sindicatos de professores e o Ministério da Educação, agendada para esta sexta-feira, às 15.00.

Manuel Pereira, presidente da direção da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), apela a que "haja algum bom senso das partes de forma a conseguir encontrar soluções que permitam motivar a classe docente, que tão desmotivada e angustiada tem estado".

Sem alterações de posição no braço-de-ferro que dura desde novembro do ano passado, Governo e sindicatos voltam a sentar-se à mesa, esta sexta-feira, pelas 15:00, no Ministério da Educação, depois de um breve interregno nas negociações, em julho, para apurar numa reunião técnica os custos reais e impacto orçamental das reivindicações dos professores.

Ao DN, Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), diz que espera que "haja fumo branco, positivo e de consenso, e que a nuvem negra que está no horizonte da educação se dissipe".

Se as partes não chegarem a um entendimento, o presidente da ANDAEP acredita que "os sindicatos vão partir para lutas com greves, manifestações e concentrações, que não são nada benéficas para as escolas públicas, que carecem de paz e estabilidade".

Filinto Lima afirma que "não queria que o final do ano letivo passado fosse transportado para o início deste ano letivo". Reconhece, no entanto, que "tendo em conta o que tem sido dito pelos representantes dos professores, é isso que vai acontecer se não houver acordo".

É urgente motivar professores

Como representante de uma escola, Manuel Pereira, presidente da ANDE, sublinha que "é preciso encontrar soluções para motivar professores, para criar estabilidade e tranquilidade nas escolas. Quem está no Ministério da Educação e quem representa os professores tem obrigação de trabalhar para que isso aconteça".

Sobre a possibilidade de mais uma greve, Manuel Pereira apela a que seja encontrada estabilidade: "Todas as greves que venham a acontecer influenciam negativamente o trabalho das escolas e desmobilizam professores e alunos. Tudo o que provoque instabilidade nas escolas é negativo".

O representante diz que "não vale a pena ter ilusões". "Com uma classe docente desmotivada, angustiada e a sentir-se tratada de forma injusta, não podemos estar à espera que o processo educativo decorra com normalidade", afirma

Embora a classe docente "trabalhe historicamente contra ventos e marés, queiramos ou não, o trabalho, o empenho e a dedicação sofrem com isto".

Sobre o tempo de serviço que está em discussão - nove anos, quatro meses e dois dias - Filinto Lima lembra que "nesse período registaram-se os melhores resultados de sempre, bem como uma diminuição acentuada nas taxas de retenção e no abandono escolar. É um paradoxo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.