DIAP confirma que está a investigar incidentes durante tourada

Na quinta-feira três ativistas antitouradas entraram na arena da Praça de Albufeira durante a corrida, tendo sido retirados pela GNR e agredidos quando eram levados do recinto, mostram as imagens de um vídeo partilhado no Facebook por Peter Janssen, ativista do Vegan Strike Group.

O Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) confirmou ao DN que está a investigar os incidentes que ocorreram durante uma corrida de toiros realizada em Albufeira, na passada quinta-feira.

Conforme o Diário de Notícias noticiou na quarta-feira, três ativistas antitouradas entraram na arena durante a tourada, tendo sido retirados pela GNR. Já detidos, foram agredidos, no momento em que saíam da praça. O momento foi captado em vídeo e partilhado no Facebook por Peter Janssen, ativista do Vegan Strike Group (organização internacional que luta contra o abuso de animais).

Segundo os relatos de três pessoas ao DN, outros foram agredidos no exterior da praça de touros, apesar de não terem participado na invasão, incluindo uma mulher que afirmou ter sido alvo de agressão por agentes da GNR. A ocorrência vai ser investigada, garante a Guarda Nacional Republicana, que já procedeu à "abertura de um processo de averiguações" interno.

Sobre esta acusação, o comando geral da GNR explicou "que no exterior do recinto, a GNR foi chamada a intervir devido a um conflito existente entre duas mulheres, motivado pela posse indevida de um telemóvel, tendo o mesmo sido recuperado pelos militares e devolvido à legítima proprietária".

Para esta sexta-feira está previsto novo protesto antitouradas em Albufeira, por ocasião da corrida da RTP naquela praça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.