Dez pessoas foram atropeladas junto a igreja em Loulé

Automóvel despistou-se e atingiu um grupo de pessoas que saía de uma missa. Nenhum dos feridos corre risco de vida.

Dez pessoas ficaram hoje feridas em Loulé, quando um automóvel se despistou e as atropelou na rua Pinheiro e Rosa, junto ao Centro Paroquial de Loulé, por volta das 19.30. Alguns dos feridos, entre os quais se inclui uma criança, sofreram ferimentos com alguma gravidade, mas nenhum corre, ao que tudo indica, risco de vida. As causas do acidente ainda são desconhecidas.

Carlos Carmo, vereador da proteção civil da Câmara Municipal de Loulé, explicou que o acidente ocorreu quando as pessoas saíam de uma missa e foram atingidas no passeio pelo automóvel. A condutora do veículo ligeiro, de 42 anos, terá perdido do controlo do veículo e despistou-se. "Ninguém estava inconsciente, nem há feridos em estado grave", referiu o autarca

O Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro disse que o alerta foi dado às 19h10 e que as vítimas já foram transportadas para os hospitais de Faro e Portimão.

No local estão 46 operacionais, entre bombeiros, elementos do INEM, da Cruz Vermelha e da GNR, apoiados por 20 viaturas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.