Dez doentes internados em macas nas urgências do hospital de Gaia

Ordem dos Enfermeiros aponta caso de mulher com 92 anos que passou sete dias na urgência numa maca

A Ordem dos Enfermeiros estima que cerca de dez doentes estejam internados em macas no Serviço de Urgência do Hospital de Vila Nova de Gaia quando, disse esta quinta-feira à agência Lusa um responsável, salientando que "existem camas livres" no mesmo equipamento hospitalar.

"Não faz sentido nenhum que doentes estejam internados em condições não seguras, sem comodidade e sem dignidade, quando existem camas livres no hospital. Achamos que estão a falhar no serviço à população", disse o presidente do conselho diretivo da Secção Regional do Norte da Ordem dos Enfermeiros, João Paulo Carvalho.

Já em resposta escrita remetida à agência Lusa, o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E) admite que existem "internamentos inapropriados no Serviço de Urgência" e garante que "neste momento decorre um esforço de organização clínica multidisciplinar que visa eliminar" essa situação.

De acordo com o relato feito pela Ordem dos Enfermeiros/Secção Norte, no dia 25 de julho existiam 14 doentes internados em macas nos Serviços de Urgência do CHVNG/E, tendo esta entidade a informação de que na mesma data existiam 50 camas disponíveis no hospital.

"Faltam condições mínimas que garantam segurança e cuidados de dignidade, o que põe em causa o tratamento do doente, mas também o trabalho dos profissionais. Denunciamos o caso quer pelo bem-estar dos doentes, quer porque sabemos que enfermeiros e outros profissionais vivem uma enorme pressão e dificuldade na prestação de cuidados", apontou João Paulo Carvalho.

Depois do relato que remete para o mês passado, a Ordem dos Enfermeiros fez quarta-feira uma visita ao hospital, tendo constatado, referiu o responsável, que a "situação continuou" com dez doentes internados em macas e 34 camas vagas no hospital.

"Uma senhora com 92 anos passou sete dias na urgência numa maca onde não é possível prestar cuidados de higiene com qualidade, não é possível mobilizar os doentes com segurança", exemplificou o presidente do conselho da Secção Regional do Norte.

Da visita realizada esta semana surgirá um relatório a enviar aos serviços centrais da Ordem dos Enfermeiros, administração do CHVNG/E, estando a secção regional a "ponderar escrever ao Ministério da Saúde".

Na resposta do CHVNG/E lê-se que "os tempos de resposta aos diversos tipos de doentes, mesmo nos casos de inapropriação, situam-se dentro do clinicamente recomendado".

Os responsáveis deste centro hospitalar acrescentam que "não houve redução de camas de internamento verificando-se que, a exemplo dos demais hospitais, existem camas por utilizar nos diversos serviços", justificando que "os problemas de dotação de pessoal dificultam este esforço [de organização clínica multidisciplinar]".

Antes, o CHVNG/E descreve que está em curso um projeto de reorganização e melhoria de resposta aos doentes do Serviço de Urgência, apontando que está a ser estudada a gestão de camas e planeamento das altas nos internamentos e que está prevista uma nova urgência com muito mais área e uma estrutura adaptada à atual tecnologia médica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.