Detido suspeito de atear fogos em Monchique este fim de semana

Estrangeiro a viver há mais de 20 anos em Portugal foi detido pela PJ de Portimão e presente a tribunal por suspeitas de ter ateado dois fogos florestais

A Polícia Judiciária de Portimão deteve o presumível responsável pelos incêndios deste fim de semana em Monchique. De acordo com um comunicado da PJ, trata-se de um homem com cerca de 40 anos, estrangeiro, mas morador em Portugal há mais de vinte anos.

A Judiciária refere que existem "fortes indícios de que seja autor de dois focos de incêndio florestal, ocorridos nos dias 14 e 16 de setembro na vertente sul da serra de Monchique". O suspeito foi presente a tribunal.

As ignições - segundo a PJ - consumiram áreas muito reduzidas de floresta, só não originando grandes incêndios graças à pronta intervenção dos populares e dos bombeiros que se encontravam na zona em operações de rescaldo de um outro incêndio ocorrido anteriormente na mesma zona, com origem totalmente diversa.

No combate às chamas que deflagraram na noite de sexta-feira estiveram envolvidos 155 bombeiros, apoiados por 52 viaturas, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil. O fogo provocou ferimentos num bombeiro da corporação de Aljezur.

Em agosto, a serra de Monchique foi fustigada por um incêndio de grandes proporções que durou uma semana - de dia 3 a 10. Nesse período, o fogo destruiu uma área superior a 27 mil hectares, de acordo com o Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais. Cerca de 40 pessoas ficaram feridas, uma delas em estado grave. Não houve vítimas mortais.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.