Despiste de carrinha na A1 entre Leiria e Pombal faz seis feridos

Um despiste de uma carrinha na A1, entre os nós de Leiria e Pombal, causou hoje seis feridos, quatro das quais ainda estavam cerca das 09:00 encarcerados, disse à Lusa uma fonte do INEM.

A mesma fonte adiantou que as vítimas seguiam numa carrinha, tendo-se despistado para uma pequena ribanceira. Das seis vítimas, duas já foram retiradas da viatura, encontrando-se as outras quatro ainda no interior do veículo.

A fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) adiantou que as vítimas "estavam conscientes".

No local do acidente, que ocorreu no sentido Norte/Sul, estavam às 09:15, segundo o Comando Operações de Socorro (CDOS) de Leiria, 30 operacionais, com o apoio de 12 veículos.

O alerta para o acidente, que ocorreu ao quilómetro 144, foi dado às 07:59.

Fonte do CDOS disse à Lusa que a autoestrada não está cortada e o trânsito está a fazer-se sem dificuldades".

No local estão ainda uma viatura médica do Hospital de Leiria, uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Hospital dos Covões (Coimbra), uma ambulância de suporte de vida de Pombal e quatro ambulâncias dos Bombeiros de Pombal e Soure.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.