Tirar aviões da Força Aérea da base do Montijo vai custar 200 milhões de euros

Mudança das aeronaves, para dar lugar ao futuro aeroporto do Montijo, demorará pelo menos três anos, diz o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, Custos andarão à volta dos 200 milhões de euros

Ainda não há uma data prevista para o início da mudança dos aviões da base aérea do Montijo, mas "o financiamento é assegurado através da contratualização com a ANA e a Vinci", o que por sua vez, " é assegurado com o Ministério do Planeamento", afirmou hoje o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho.

Os custos da operação, estimou o governante, será na ordem dos 200 milhões de euros, embora não haja ainda contas finais.

João Gomes Cravinho falava aos jornalistas no final da sua primeira visita à Força Aérea Portuguesa, que começou no Comando Aéreo e terminou na base aérea n.º 6, no Montijo, onde o Governo prevê construir um aeroporto complementar ao de Lisboa.

o ministro afirmou que ainda não há data prevista para o início da deslocalização das aeronaves, sublinhando que o plano da FAP "é rigoroso" e serão acauteladas as necessidades operacionais, não pondo em causa as missões.

"Os hangares que viram no Montijo terão de ser construídos em outras bases para acomodar as necessidades. Um trabalho que requer algum tempo", disse. "Vão ser necessários pelo menos dois, três anos para concretizar toda essa deslocalização", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.