Derrame de tinta obriga a encerrar piscinas exteriores de Paços de Ferreira

Foi necessário esvaziar os tanques para limpar os azulejos e substituir os filtros

O derrame de tinta nas piscinas exteriores de Paços de Ferreira obrigou a autarquia a encerrar aquele espaço, não reabrindo mais nesta época balnear, disse à agência Lusa o vereador Paulo Ferreira.

Segundo o autarca, o derrame de tinta, que considerou ter sido um ato de vandalismo ocorrido na madrugada de quinta-feira, provocou um prejuízo significativo.

Os dois tanques exteriores do complexo municipal foram encerrados na manhã de sexta-feira para iniciar os trabalhos de reposição da normalidade.

Para o efeito, foram utilizados químicos, mas essa solução, indicou o vereador, não foi suficiente, atendendo aos danos causados nos filtros das piscinas e no fundo dos tanques.

Paulo Gonçalves referiu que houve então necessidade de proceder ao esvaziamento para limpar os azulejos dos tanques e proceder à substituição dos filtros, o que já foi realizado.

Nesta fase, disse, está a proceder-se ao enchimento, mas já não há condições para as piscinas exteriores reabrirem ao público até ao próximo fim de semana, quando termina a época de utilização de verão das piscinas.

O ato de vandalismo foi comunicado à GNR.

Entretanto, as piscinas cobertas de Paços de Ferreira já reabriram ao público, depois de terem encerrado em agosto para os habituais trabalhos de manutenção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".