CTT prometem facilitar acesso à rede e melhorar tarifário

Os CTT comprometeram-se a melhorar o acesso à rede de distribuição e a alargar a escolha dos consumidores. Compromisso assumido com a Autoridade da Concorrência que, assim, arquivou a queixa da VASP por abuso de posição.

O processo de investigação arrasta-se desde 2015, quando a VASP Premium apresentou queixa contra os CTT. Justificavam que tentavam desde 2012 aceder à rede de distribuição, sem êxito, acusando os Correios de "abuso de posição".

A Autoridade da Concorrência (AdC) deu razão a alguns dos pontos reclamados pelas VASP. "Identificou um conjunto de obstáculos ao desenvolvimento de uma concorrência efetiva no mercado de correio tradicional relacionados com o acesso à rede de distribuição postal dos CTT", sublinha num comunicado publicado esta quinta-feira. E elaborou uma nota de acusação a 12 de agosto de 2016, o que levou os CTT a estabelecerem uma série de compromissos.

Os CTT prometem alargar os serviços de correio nacional, nomeadamente o editorial, o prioritário e o registado. Introduzir novos pontos de acesso à rede postal em centros de produção e logística de destino e um conjunto alargado de lojas. Incluir um prazo de entrega mais rápido no acesso através das lojas CTT para o serviço nacional de base, com peso superior a 50 g, e o editorial. Dar a possibilidade de um operador concorrente realizar tarefas de tratamento adicionais, como a separação de correio por zona de distribuição e por artéria. Aplicar um tarifário de acesso à rede inferior ao praticado aos clientes finais, com preços diferenciados consoante o ponto de acesso, serviço de correio e tarefas de tratamento realizadas pelo operador concorrente.

A AdC considerou que "os compromissos são suscetíveis de eliminar as preocupações jusconcorrenciais identificadas e de preservar os interesses dos consumidores". O resultado foi o arquivamento do processo movido pela VASP, ao fim de três anos.

Em comunicado enviado às redações, os CTT consideram a "decisão um marco importante". Sublinham que a AdC aceitou os compromissos apresentados pelos CTT no sentido "de serem melhoradas as condições de acesso à referida rede desde que a respetiva eficiência não resulte comprometida", definindo-os "como condições obrigatórias de agora em diante".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.