Crise no Hospital São João. Dois diretores demitem-se

Administração estará a ser acusada de promover pressões internas e objetivos difíceis de cumprir pelos profissionais.

Primeiro Álvaro Silva, até então diretor do Serviço de Cirurgia Plástica. Depois, João Viterbo, diretor do Serviço de Anestesiologia. Ambos pediram a demissão dos seus cargos no Centro Hospitalar de São João, Porto.

A notícia é avançada pelo Público que conta que Álvaro Silva terá sido o primeiro a pedir a demissão, seguido de João Viterbo, que se terá demitido na semana passada e comunicado a sua decisão ao grupo clínico numa reunião relâmpago, depois de 11 meses à frente do serviço.

A mesma publicação diz que fontes hospitalares revelaram que a situação presenciada no Serviço de Anestesiologia já é há muito marcada por mau ambiente e desavenças internas, tornando-se "insustentável". A mesma fonte adiantou ainda que João Viterbo se terá demitido por falta de "condições para gerir o serviço".

O DN tentou contactar a instituição, que decidiu não tecer qualquer comentário sobre o assunto.

Os dedos estarão apontados para a administração. Tanto acusada de pressionar os médicos para objetivos difíceis de alcançar, como de ter procedido a contratações anteriores sem abrir concurso. João Viterbo, por exemplo, foi destacado para as suas funções sem ter sido chefe de serviço. Mas a lei não deixa dúvidas: de acordo com o Decreto-Lei nº 18/2017, de 10 de fevereiro, no seu artigo 28º, "os diretores de departamento e de serviço de natureza assistencial são nomeados de entre médicos, inscritos no colégio da especialidade da Ordem dos Médicos correspondente à área clínica onde vão desempenhar funções e, preferencialmente, com evidência curricular de gestão e com maior graduação na carreira médica".

Contudo, ainda de acordo com o Público, o profissional do Serviço de Anestesiologia teria à frente dois especialistas mais qualificados, ambos eram chefes de serviço e um deles tem inclusive no currículo 12 anos na direção de serviço e um curso de diretor de serviço pela High Quality Advanced Physician Training Research.

O historial de demissões no centro hospitalar não é novo. Em 2014, 66 diretores apresentaram uma demissão em bloco. Destes, 58 eram diretores clínicos, outros não clínicos, e alguns responsáveis pelas oito unidades intermédias de gestão. Todos reivindicavam falta de qualidade nos cuidados de saúde prestados à população, a desvalorização da missão do centro hospitalar, a centralização administrativa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".