CP acaba com o primeiro Alfa Pendular do dia

Segundo a empresa, a decisão foi tomada porque o comboio em causa "é o Alfa Pendular que regista menor procura"

A partir de 5 de agosto, o primeiro Alfa Pendular entre Lisboa e Porto só chega à Invicta às 10.05. A CP - Comboios de Portugal informou esta terça-feira das alterações de horários, que entram em vigor já no início do próximo mês.

Assim, o comboio Alfa Pendular que atualmente tem partida de Santa Apolónia às 6.00 com destino a Porto Campanhã, onde chega às 8.44, deixará de se realizar, conforme avançou a Renascença.

Segundo a empresa, em resposta ao DN, a decisão foi tomada porque o comboio em causa "é o Alfa Pendular que regista menor procura (-46% do que a média dos Comboios Alfa Pendular) e a mais baixa taxa de ocupação média ao longo do percurso, uma vez que a sua partida de Lisboa ocorre muito cedo, motivo pelo qual uma parte significativa dos clientes viaja apenas no troço Coimbra B - Porto Campanhã".

Haverá um Intercidades que terá partida de Santa Apolónia às 06.30 e que chegará ao Porto perto das 10.00. A CP considera que este "dará uma resposta mais adequada à procura existente, uma vez que a sua lei de paragens e horário são mais atrativos".

Passará também a existir uma nova ligação de Alfa Pendular com partida de Lisboa às 09.00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.