Costa visita cadeia de Matosinhos e elogia ocupações para reclusas

Primeiro-ministro quer ver imitado no país o protocolo que permite às reclusas da cadeia de Santa Cruz do Bispo aprenderem uma profissão e começarem a ganhar dinheiro antes do regresso à sociedade

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quinta-feira, em Matosinhos que o país tem de conseguir replicar o exemplo da cadeia de Santa Cruz do Bispo, onde as reclusas têm ocupações em áreas como o calçado e a indústria têxtil graças a uma parceria com a Misericórdia.

"O grande desafio é a sua preparação [das reclusas] para a vida em liberdade na sociedade e, aí, o investimento na formação e empregabilidade é essencial. O que nós vimos aqui neste estabelecimento prisional [Santa Cruz do Bispo] é o modelo daquilo que podemos, devemos e temos de conseguir replicar em todo país", afirmou António Costa, após visitar a cadeia feminina em Matosinhos, no distrito do Porto.

Acompanhado da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, o líder do executivo considerou que é fundamental para as reclusas manterem e adquirirem hábitos de trabalho e obterem conhecimento de uma profissão para poder prossegui-la quando saírem em liberdade.

Projeto envolve parcerias com várias empresas

A Santa Casa da Misericórdia do Porto e a Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais têm um protocolo de cooperação para a Gestão do Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo - Feminino.

Em termos laborais o objetivo é dotar ou desenvolver competências profissionais, pessoais e sociais de forma a que a reclusa, quando em liberdade, possua ferramentas que permitam a sua reintegração no mundo ativo.

Em articulação com diversas empresas subcontratadas, as reclusas que assim o pretenderem podem ter uma ocupação laboral, em áreas como o calçado ou têxtil, conseguindo ter uma remuneração para ganhar autonomia e independência económica face ao exterior.

Falando num "modelo de sucesso", António Costa sublinhou que o investimento no sistema de justiça e reinserção é, por isso, "essencial".

O primeiro-ministro recordou que assinou, em julho de 2000, o despacho para a abertura do concurso para a construção deste estabelecimento prisional, quando era ministro da Justiça.

"Antigamente os estabelecimentos prisionais visavam libertar a sociedade do convívio com pessoas indesejáveis", lembrou.

Hoje, acrescentou, o seu propósito é "preparar" o recluso para viver em sociedade.

Por esse motivo, em matéria de reinserção e sistema prisional, António Costa falou em algumas prioridades, nomeadamente na diminuição do recurso a penas privativas da liberdade em reclusão e a qualificação dos cuidados médicos nas prisões.

Em prisão há mais de sete anos, de uma pena de 12, Rosa Castro aprendeu a costurar na cadeia e agora "adora".

Supervisora de uma empresa onde fazem sacos térmicos, de desporto e para cadáveres, Rosa Castro contou que ter uma ocupação é "fundamental" para quem está em reclusão porque de outra forma "enlouquecia".

Com um salário de 150 euros mensais, a reclusa assumiu querer continuar a costurar quando sair em liberdade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.