Corticeira despede funcionária que denunciou assédio

Empresa tinha sido autuada em 31 mil euros pela Autoridade para as Condições de Trabalho.

A Fernando Couto Cortiças S.A. despediu nesta quinta-feira a operária que denunciou as condições de trabalho e que levou a Autoridade para as Condições do Trabalho a autuar a empresa em 31 mil euros pela prática de assédio sobre uma funcionária reintegrada judicialmente.

A administração da unidade de Paços de Brandão, no concelho de Santa Maria da Feira, tinha suspendido em novembro a referida trabalhadora, Cristina Tavares, no âmbito de um processo disciplinar motivado pelo que a empresa então descreveu como "uma série de mentiras" com que a funcionária estaria a prejudicar o ambiente laboral dentro da fábrica e a própria reputação da firma.

Agora, a corticeira dá por concluído o caso, notificando Cristina Tavares do seu despedimento por justa causa, com base em "comportamentos consubstanciadores da prática de um crime de difamação", como cita em comunicado o Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte.

Para essa estrutura, que convocou para o próximo sábado uma conferência de imprensa sobre o caso, na presença do secretário-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses, a situação demonstra que "não há limites legais, jurídicos e éticos para esta entidade patronal".

O Sindicato acusa assim a Fernando Couto de recorrer ao despedimento por justa causa para afastar "quem não aceita despedimentos ilícitos, quem luta pela reintegração do seu posto de trabalho em detrimento de indemnizações, quem resiste à prática de comportamentos reiterados configuradores de assédio moral, quem não aceita ser esmagado e humilhado, e quem, no exercício dos seus mais elementares direitos, denuncia e expõe tais situações".

Perante essa situação, Alírio Martins, presidente do referido sindicato, assegura à Lusa: "Claro que vamos contestar a decisão da empresa e que a Cristina vai ter o apoio dos nossos serviços jurídicos."

Também contactado pela Lusa, o advogado da Fernando Couto Cortiças S.A. não esteve disponível para mais esclarecimentos sobre o caso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.