Corrupção. Alta funcionária das Finanças suspensa de funções

O tribunal de instrução criminal decidiu suspender de funções a funcionária superior das Finanças que representava o Estado nos tribunais em ações de execução fiscal. O advogado, cujos clientes seriam beneficiados ficou sujeito a uma caução de 10 mil euros.

A alta funcionária das Finanças e o advogado, detidos esta quarta-feira, no âmbito da operação Duo Facie da Polícia Judiciária (PJ), ouviram esta noite as medidas de coação, decretadas pelo tribunal de instrução criminal: suspensão de funções e caução de 10 mil euros, respetivamente. Ambos ficaram ainda proibidos de contactos.

Foram detidos por suspeitas de corrupção ativa ele e corrupção passiva, falsidade informática, violação de segredo de funcionário. O que está em causa são ações de execução que a Autoridade Tributária instaurava contra contribuintes.

A funcionária, que representava o Estado nos tribunais, é suspeita de preparar os processos de forma a informar o escritório de advogados sobre a melhor forma dos seus clientes, empresas ou indivíduos, escaparem às ações, favorecendo o escritório.

Segundo foi avançado pela comunicação social, o advogado detido é António Taveira, um especialista em fiscalidade, contensioso tributário e insolvências.

A investigação, que partiu de uma denúncia da própria AT, comecou há masis de um ano e vai agora continuar. Todos os documentos relacionados com a atividade dos arguidos, apreendidos na buscas realizadas, vão ser agora passados a pente fino e cruzados, com o objetivo de verificar os processos em que a funcionária interveio e o escritório de António Taveira também esteve envolvido.

As buscas no terreno levadas a cabo pela Unidade de Combate à Corrupção da PJ, em estreita ligação com a Autoridade Tributária, decorreram em Lisboa, Mafra, Vendas Novas, Montijo, Coruche e Alcochete.

Em comunicado entretanto divulgado, a PJ confirmou que a operação "Duo Facie" mobilizou várias dezenas de elementos da Polícia Judiciária, bem como magistrados judiciais e do Ministério Público, tendo sido realizadas 13 buscas, domiciliárias e não domiciliárias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.